segunda, 20 de maio de 2019

AMAERJ | 15 de abril de 2019 13:47

Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro

Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Delicious Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Digg Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Facebook Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Google+ Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Link-a-Gogo Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on LinkedIn Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Pinterest Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on reddit Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on StumbleUpon Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Twitter Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Add to Bookmarks Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Email Share 'Revista FÓRUM: PCPC e a homenagem da AMAERJ e do meio jurídico brasileiro' on Print Friendly Whatsapp
Mesa de autoridades na abertura do evento

Seminário exaltou o processualista de renome nacional

Por DIEGO CARVALHO, EVELYN SOARES, MATHEUS SALOMÃO E SERGIO TORRES

Ao longo dos dias 28 e 29 de março, o seminário promovido pela AMAERJ em homenagem ao jurista, processualista e professor universitário Paulo Cezar Pinheiro Carneiro reuniu muitos dos mais importantes personagens do mundo jurídico brasileiro. Três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) vieram especialmente de Brasília para reverenciar PCPC, como é carinhosamente chamado pelos amigos do Direito: Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Marco Aurélio Mello.

Pinheiro Carneiro, 70 anos, é advogado, procurador de Justiça aposentado e professor titular de Teoria Geral do Processo da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Leia também: A Magistratura que queremos
A voz feminina na lei
Marcas da lama

Com coordenação científica dos professores Aluisio Mendes e Humberto Dalla, apoiado pelos juízes Daniel Vargas e Felipe Gonçalves (2º secretário da AMAERJ), o seminário “O Acesso à Justiça e o Direito Processual Civil Contemporâneo” teve 2.500 inscritos e lotou as dependências do Pleno do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

Ao final dos dois dias de palestras e painéis, Pinheiro Carneiro, ladeado pela mulher, Elizabeth, pelos filhos Paulo Cezar e Luiz Felipe, pela nora Ana Cecília e pelos netos João Paulo e Paulo Eduardo, agradeceu as homenagens recebidas e, em especial, o trabalho desenvolvido pela AMAERJ e seus dirigentes.

“Agradeço a todos os que fizeram a logística do evento, com mais de 2.500 pessoas inscritas, na pessoa do magistrado Felipe Gonçalves, que foi incansável. Também agradeço à AMAERJ, sob a presidência da juíza Renata Gil, que liderou a organização, fornecendo praticamente toda a estrutura necessária”, afirmou.

Com a voz embargada, Pinheiro Carneiro rememorou sua trajetória e falou sobre aqueles que o ajudaram e inspiraram: “Devo à força e aos ensinamentos dos meus mestres, ao incentivo dos meus colegas e amigos, e à minha família, praticamente tudo o que alcancei na vida. À minha mulher, Elizabeth Machado Carneiro, procuradora de Justiça e minha inspiração, minha tranquilidade, o amor da minha vida.”

Luís Roberto Barroso saudou PCPC: “Além de grande professor e grande advogado, é uma pessoa extraordinária, que dedica tempo e energia para fazer o bem”.

“Um grande chefe de família, grande mestre e possuidor de alma iluminada.” Assim o ministro Marco Aurélio Mello definiu Pinheiro Carneiro.

Luiz Fux lembrou os mais de 40 anos de amizade com PCPC. “É dessas pessoas que deveriam existir para sempre, pelos ensinamentos, pelas ideias, pela postura.”

O desembargador Cândido Rangel Dinamarco, professor da Universidade de São Paulo (USP), enalteceu o colega.

“Em suas carreiras, Paulinho atuou como pensador, mais do que processualista, em várias coisas ligadas ao ideal de atender aos reclames sociais e políticos da nação. Fez parte do grupo de elaboração do Código de Processo Civil e foi titular da Clínica de Mediação da Uerj, procurando sempre atender aos menos favorecidos. É um traço de sua personalidade o interesse no amparo social às pessoas necessitadas”, comentou.

Leia aqui a revista completa.

PCPC, a mulher Elizabeth, filhos, nora e netos AMAERJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!