terça, 12 de dezembro de 2017

AMAERJ | 06 de dezembro de 2017 16:55

‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente

Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Delicious Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Digg Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Facebook Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Google+ Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Link-a-Gogo Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on LinkedIn Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Pinterest Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on reddit Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on StumbleUpon Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Twitter Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Add to Bookmarks Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Email Share '‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente' on Print Friendly Whatsapp

* O Globo

Foto: Julio Cesar Guimaraes / Agência O Globo

O debate sobre Ética no seminário “Reage Rio!” foi aberto nesta quarta-feira (6) pela desembargadora Jacqueline Lima Montenegro, da 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio. Ela ressaltou que a mudança do cenário que vemos hoje na política começa em 2018 a partir do voto consciente dos eleitores.

– No meu modo de ver, 2018 não é (o ano) da solução, é um ano de desafio, é o momento de começar a fazer um projeto novo para o país. Para mudar (o atual cenário), precisamos da boa política e precisamos zerar o cronômetro. E, em 2018, não teremos todas as novas lideranças de que precisamos. Estamos atrasados, e como vamos fazer? Vamos mudar ao nosso redor, vamos fazer a nossa propaganda do bem – disse a magistrada, ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ).

Leia também: ‘Vemos a generalização do mal na política-partidária brasileira’, diz o novo presidente do TRE-RJ
TJ-RJ recebe Seminário Internacional sobre Direito da Água
Vencedor do Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli ganha Innovare

Segundo ela, há uma “pequena elite” no país com acesso à informação e que pode aplicar o voto consciente, e esse grupo de pessoas tem responsabilidade de falar com seus círculos de amizade e convívio para alertar sobre os riscos da eleição de 2018 e ajudar a conscientizar o voto.

– Infelizmente, hoje ainda precisamos tutelar o eleitor, tutelar a liberdade de voto do eleitor. Esse discurso que estou fazendo aqui, ver como o candidato se formou, quais são suas propostas, a que partido e ideologia está ligado, é para quem tem informação, mas temos uma imensa massa que não tem capacidade de avaliar e julgar. Temos hoje ainda eleitores que trocam voto por dentadura – alertou.

Foto: Julio Cesar Guimaraes / Agência O Globo

Fonte: O Globo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!