sábado, 07 de dezembro de 2019

AMAERJ | 12 de agosto de 2019 16:43

Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência

Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Delicious Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Digg Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Facebook Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Google+ Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Link-a-Gogo Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on LinkedIn Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Pinterest Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on reddit Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on StumbleUpon Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Twitter Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Add to Bookmarks Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Email Share 'Profissionais de beleza serão treinados para identificar mulher vítima de violência' on Print Friendly Whatsapp

*G1

Lançamento do “Mãos EmPENHAdas contra a Violência” | Foto: Brunno Dantas/TJ-RJ

Profissionais de salões de beleza do Rio de Janeiro vão receber treinamento para identificar mulheres vítimas de violência e dar apoio a elas, por meio do programa “Mãos EmPENHAdas contra a Violência”, lançado nesta segunda-feira (12). A ação é uma parceria do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) com o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

De acordo com o TJ-RJ, o objetivo é criar uma rede de profissionais de beleza que irão apoiar na conscientização e no esclarecimento às vítimas.

Leia também: Ao ‘Fantástico’, juíza explica lei de proteção a mulheres com deficiência
Imprensa destaca nota da AMAERJ em defesa da independência judicial
Associações discutem, no Rioprevidência, migração para RJPrev

Especialistas da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Coem) começarão a capacitar, esta semana, os cerca de 120 instrutores de beleza das unidades do Senac-RJ na Região Metropolitana do Rio. Os instrutores atuarão como multiplicadores junto aos alunos dos cursos da instituição.

A intenção é que os futuros profissionais de beleza desenvolvam competências de escuta e apoio nas temáticas relativas à violência de gênero e possam identificar e orientar as clientes com base na Lei Maria da Penha.

A estimativa é que, até 2020, sejam impactados cerca de 2.000 alunos de cabeleireiro, maquiador, depilação, manicure e técnico em estética da instituição.

A desembargadora Suely Lopes Magalhães, presidente da Coem, exaltou a parceria como mais uma ferramenta para expandir a rede de acolhimento e proteção às mulheres. “Temos obrigação de lutar contra injustiças e o objetivo de salvar vidas. O projeto é mais uma forma de dar efetividade às medidas protetivas concedidas pelos magistrados”, afirmou.

Violência física

Segundo dados do Dossiê Mulher 2019, elaborado pelo Instituto de Segurança Pública do Rio, a violência física é a forma que concentra o maior número de vítimas dentre aquelas destacadas neste dossiê, totalizando 42.423 mulheres no estado em 2018.

O número equivale a uma média de, pelo menos, 116 mulheres vítimas por dia de algum tipo de violência física no estado do Rio de Janeiro. Ainda segundo dados do Dossiê Mulher, em 2018, em média, uma mulher foi morta quase todo dia no RJ, totalizando 350 vítimas e uma taxa de 3,9 vítimas para cada 100 mil mulheres.

Os dados mostram ainda que 31,8% das tentativas de homicídio contra mulheres foram perpetradas pelo companheiro ou ex-companheiro da própria vítima. Em 37,2% dos registros, as vítimas reportaram que a agressão ocorreu dentro de alguma residência.

Desembargadora Suely Lopes Magalhães | Foto: Brunno Dantas/TJ-RJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!