domingo, 24 de maio de 2020

Destaques Noticias | 17 de junho de 2019 18:16

Líderes locais são a ‘legalidade’ nas áreas carentes, afirma Renata Gil

Presidente da AMAERJ, Renata Gil e líderes comunitários

Ao encerrar, na tarde desta segunda-feira (17), a sessão do “Juristur – Conhecendo o Judiciário” no Tribunal Pleno, a presidente da AMAERJ, Renata Gil, afirmou, para 53 líderes comunitários do programa Justiça Cidadã, que eles representam o “resgate, a legalidade” da sociedade brasileira.

Leia também: Renata Gil aborda a queda na feminilização da magistratura
Justiça e mídia são ‘dois mundos’, diz jornalista da Rede Globo
Pesquisa mapeia iniciativas de Justiça Restaurativa adotadas por tribunais

“É uma alegria imensa ter vocês aqui. Nós do Judiciário, nós juízes, nós serventuários. A casa do Judiciário vai ser muito bem compreendida quando for bem conhecida. Sei que nós não somos bem conhecidos pela sociedade. A parceria que vocês estão fazendo de vir nos encontrar, de conhecer os espaços judiciários, como nós funcionamos. Vocês são vetores das informações para as comunidades que representam. Eu sou como vocês. Sou uma representante de classe. Aqui represento os 1.350 magistrados do meu Estado”, disse ela.

Para a presidente, a função dos líderes comunitários “é muito importante para melhorar a sociedade, o nosso Estado. Estamos em um processo de grave crise, crise profunda”.

“A milícia é total ausência do Estado, seja no controle seja nos serviços mais básicos. Vocês sabem muito melhor do que eu. Sei como funciona uma comunidade. Como uma geração está perdida dentro das comunidades. Mas vocês são o resgate, a legalidade, o Estado que não está lá. Vocês assumem esta função de forma muita corajosa especialmente em nosso Estado, onde a violência tem índices alarmantes e que está à nossa porta.”

Renata Gil destacou a parceria com a sociedade. “Tenho feito muito este trabalho de diálogo com a sociedade. A gente entende que, dialogando, consegue absorver o que a sociedade espera de nós. Nem tudo o que vocês esperam nós efetivamente podemos dar. Estava dizendo agora com os jornalistas. Os juízes hoje são julgados pela sociedade, pela imprensa.”