sábado, 07 de dezembro de 2019

AMAERJ | 10 de setembro de 2019 17:06

Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ

Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Delicious Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Digg Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Facebook Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Google+ Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Link-a-Gogo Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on LinkedIn Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Pinterest Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on reddit Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on StumbleUpon Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Twitter Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Add to Bookmarks Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Email Share 'Pedido liminar da AMAERJ sobre atos da Corregedoria é ratificado pelo Plenário do CNJ' on Print Friendly Whatsapp
Plenário do CNJ | Foto: Luiz Silveira/ Agência CNJ

Na 296ª Sessão Ordinária do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), nesta terça-feira (10), foi ratificada, por unanimidade, a decisão liminar requerida pela AMAERJ contra os atos da Corregedoria Geral de Justiça do Rio de Janeiro a respeito da intimação de magistrados e do prazo para a apresentação de documentos comprobatórios da participação em cursos de aperfeiçoamento.

O conselheiro André Godinho relatou o PCA (Procedimento de Controle Administrativo). “Foi concedida a liminar no sentido de sustar as eventuais punições a magistrados que não apresentassem, no exíguo prazo de 72h, os certificados. O prazo é muito exíguo. Naturalmente, os magistrados que precisassem fazer solicitação perante as instituições de ensino não teriam uma resposta tão breve a ponto de apresentar ao Tribunal e, portanto, não sofrer essa punição”, afirmou ele na sessão.

Ainda na sessão, o corregedor Nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, e o conselheiro Luciano Frota ressaltaram que deveria ser fixado um prazo e sugeriram que fosse de 30 dias, proposta acolhida pelo relator. A liminar com determinação de prazo máximo de mais 30 dias foi ratificada, em decisão unânime, pelo plenário do CNJ.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!