quinta, 12 de dezembro de 2019

AMAERJ | 22 de maio de 2019 12:04

Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes

Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Delicious Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Digg Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Facebook Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Google+ Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Link-a-Gogo Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on LinkedIn Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Pinterest Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on reddit Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on StumbleUpon Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Twitter Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Add to Bookmarks Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Email Share 'Magistrados debatem melhorias em projeto para jovens aprendizes' on Print Friendly Whatsapp
Magistrados e servidores em encontro no TJ-RJ | Foto: Raquel Rocha/ TJ-RJ

O aprimoramento de projetos sociais para inserir jovens aprendizes no mercado de trabalho foi o tema de encontro no TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), na segunda-feira (20), de magistrados e servidores da Coaps (Comissão de Articulação de Programas Sociais). Eles observaram que os jovens aprendizes assistidos pelas Varas da Infância, da Juventude e do Idoso têm dificuldades para conseguir emprego.

Além da crise econômica, os jovens enfrentam a barreira do preconceito, por terem cometido infrações no passado ou por morarem em abrigos. Uma das primeiras medidas, para o juiz Pedro Henrique Alves (1ª Vara de Infância da Capital), é tornar o cadastro dos jovens “mais completo, para facilitar o encaminhamento dos adolescentes para as empresas que abriram as vagas”.

Leia também: Alexandre de Moraes participará do seminário ‘A Magistratura que Queremos’
CNJ arquiva reclamação contra juiz defendido pela AMAERJ e AMB
AMAERJ abre duas vagas extras para seminário na Itália

A juíza Glória Heloiza Lima (2ª Vara da Infância) traçou como prioridades cuidar da documentação e do nível de escolaridade dos jovens, assim como o apoio da família à decisão de procurar um emprego.

“Precisamos promover a inclusão social desses adolescentes e trabalhar a autonomia deles desde cedo, para que não se sintam excluídos e despreparados. Essas iniciativas devem dar oportunidades e ajudar os jovens em situações de vulnerabilidade a ter um rumo”, avaliou.

Foto: Raquel Rocha/ TJ-RJ

De acordo com a juíza Vanessa Cavalieri (Vara da Infância e do Menor Infrator da Capital), para aumentar as chances de contratação, é preciso mais atenção de todos e trabalho de forma integrada das equipes.

“Há casos em que a vaga não é preenchida porque a inscrição não foi feita a tempo. As empresas têm um determinado prazo para preencher as posições. Precisamos evitar que um jovem interessado em trabalhar e mudar de vida perca a oportunidade por causa de prazos”, afirmou a magistrada.

Os desembargadores Marco Aurélio Bezerra de Melo e Renata Cotta, que administram a parceria dos jovens aprendizes com empresas privadas interessados em contratá-los, afirmaram que o projeto deve ser feito com dedicação e afeto. De acordo com os magistrados – que lembram do início do projeto, com a ajuda a sete meninas em Duque de Caxias, município na Baixada Fluminense –, o trabalho é longo, precisa vencer preconceitos. Com a expansão do programa é preciso, alertam, ser criativo para conquistar novas parcerias que ajudem os jovens.

A diretora do Deape (Departamento de Ações Pró-Sustentabilidade), Rosiléa Di Masi, destacou a importância do trabalho das equipes técnicas e reforçou o conselho dos desembargadores.

“O projeto só é bem feito quando a gente faz um acompanhamento humano, atencioso. O trabalho precisa ser muito mais do que capacitar o adolescente e inscrevê-lo para as vagas, é também incentivar, cuidar e acompanha-los para que se tornem grandes pessoas”, destacou.

Fonte: TJ-RJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!