quinta, 12 de dezembro de 2019

AMAERJ | 30 de abril de 2019 15:41

Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts

Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Delicious Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Digg Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Facebook Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Google+ Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Link-a-Gogo Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on LinkedIn Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Pinterest Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on reddit Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on StumbleUpon Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Twitter Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Add to Bookmarks Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Email Share 'Justiça proíbe venda de livros de brasileira acusada de plagiar Nora Roberts' on Print Friendly Whatsapp
Escritora americana Nora Roberts

A escritora best-seller americana Nora Roberts ganhou a primeira batalha contra a brasileira Cristiane Ribeiro Allevato Serruya em processo de plágio aberto na semana passada, no Rio de Janeiro.

Leia também: Presidente da AMAERJ fará palestra no ‘1º Curso A Mulher Juíza’
Mais de 60% das ações no TJ-RJ são de governos
Fórum Permanente de Direito Civil da EMERJ é inaugurado com seminário

Em sua decisão, Maria Cristina de Brito Lima, da 6ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, determinou a suspensão da venda dos livros físicos, e-books e audiolivros dos títulos Royal Love, Royal Affair, Unbroken Love, Hot Winter, Forevermore e From the Baroness’s Diary, além da inclusão, na capa e nos links disponibilizados nos sites da Amazon, Saraiva, Cultura, Barnes & Noble, Kobo e E-Bay da expressão “suspensa a venda por ordem judicial”.

A juíza determinou ainda o bloqueio dos royalties advindos da venda desses livros nas livrarias citadas. Os valores devem ser depositados em conta judicial. O descumprimento da decisão judicial, por parte de Cristiane, das livrarias ou editoras, poderá acarretar multa de R$ 5 mil por exemplar de obra indevidamente vendida.

“Isso representa um novo patamar de demanda judicial na área literária”, diz Gustavo Martins de Almeida, advogado de Nora Roberts. Principalmente porque envolve suportes imateriais – e-books e audiolivros – e porque Nora Roberts, estrangeira sem bens no Brasil, está dando como garantia os direitos autorais de seus livros publicados por três editoras. “É interessante ver o Judiciário se adequando às novas tecnologias”, comenta o advogado.

Fonte: O Dia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!