quarta, 20 de novembro de 2019

AMAERJ | 23 de julho de 2018 15:21

Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária

Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Delicious Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Digg Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Facebook Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Google+ Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Link-a-Gogo Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on LinkedIn Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Pinterest Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on reddit Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on StumbleUpon Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Twitter Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Add to Bookmarks Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Email Share 'Juiz que condenou assassinos relembra chacina da Candelária' on Print Friendly Whatsapp

Desembargador aposentado José Geraldo Antônio comenta condenações em crime que completa 25 anos | Foto: Reprodução/ GloboNews

A chacina da Candelária completa 25 anos nesta segunda-feira (23). O desembargador aposentado José Geraldo Antônio, que atuava no 2º Tribunal do Júri à época do julgamento, relembrou em reportagem da GloboNews a punição aplicada aos quatro assassinos. “Pela barbárie dos fatos e dos atos praticados, entendi que era um caso de aplicar a pena máxima, o que não era muito comum”, disse. As penas de cada réu ultrapassaram 200 anos de prisão.

Antônio também afirmou que a Justiça cumpriu seu papel na condenação dos policiais militares acusados do crime que chocou o país. “Se a lei prevê uma progressão de regime, e limita a 30 anos [de totalidade da pena], tem que ser cumprida – embora a opinião pública entenda que determinados crimes merecessem uma punição definitiva e até eterna. E, no caso da Candelária, foi feito isso. Todos foram condenados e cumpriram pena, até onde foi possível.”

Leia também: TJ-RJ inaugura instalações reformadas do Fórum Central
Campanha do Agasalho da Regional de Niterói termina em 31 de julho

Temer viaja para encontros internacionais, e Cármen Lúcia assume Presidência da República pela quarta vez

Massacre na Candelária

Na madrugada de 23 de julho de 1993, oito crianças e jovens moradores de rua, com idades entre 11 e 19 anos, foram assassinadas a tiros de fuzil na frente da Igreja da Candelária, no Centro do Rio. As vítimas estavam dormindo. Eram cerca de 40 jovens no local, e a maioria conseguiu fugir.

Uma das vítimas, Wagner dos Santos, foi testemunha-chave para se chegar aos PMs posteriormente condenados. À época ele tinha 21 anos, e foi alvejado no crime e em um atentado depois do massacre. 

A investigação chegou a quatro autores do crime, todos do 5º Batalhão da Polícia Militar do Rio. Maurício da Conceição morreu antes do julgamento. Nelson Oliveira dos Santos Cunha foi condenado a 261 anos; Marcos Aurélio de Alcântara, a 204 anos; e Marcus Vinícius Emmanuel Borges, atualmente foragido, a 300 anos.

Veja a íntegra da reportagem da GloboNews.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!