quarta, 11 de dezembro de 2019

AMAERJ | 09 de agosto de 2011 14:13

CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga

Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Delicious Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Digg Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Facebook Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Google+ Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Link-a-Gogo Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on LinkedIn Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Pinterest Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on reddit Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on StumbleUpon Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Twitter Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Add to Bookmarks Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Email Share 'CNJ volta de recesso com apenas um terço da composição antiga' on Print Friendly Whatsapp

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle administrativo e disciplinar do Judiciário, volta hoje (9) do recesso de julho com apenas um terço da composição antiga. Em julho, dez conselheiros deixaram o órgão, com o fim do mandato de dois anos. Os únicos que não estavam nessa situação eram o presidente Cezar Peluso, a corregedora-geral de Justiça, Eliana Calmon, e o advogado Marcelo Nobre, representante da Câmara dos Deputados, cujos mandatos terminam apenas em 2012.

Da composição antiga também permanecem o conselheiro Jorge Hélio Chaves, representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que foi reconduzido e já tomou posse em julho, e Jefferson Kravchychyn, também da OAB, que aguarda aprovação pelo Senado de sua recondução.

Tomam posse hoje, em cerimônia fechada no gabinete de Peluso, o juiz federal Sílvio Ferreira da Rocha e o desembargador Fernando Tourinho Neto, indicados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ); o desembargador Ney de Freitas, sugestão do Tribunal Superior do Trabalho (TST); e José Guilherme Werner, que era secretário-geral adjunto do CNJ, indicado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

De fora da magistratura, assumem Bruno Dantas, ex-integrante do Conselho Nacional do Ministério Público, indicado pelo Senado, e Gilberto Martins, promotor do Pará indicado pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Um dos julgamentos mais esperados do semestre é o processo contra o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, Luiz Zveiter. Ele é acusado de participar da campanha de seu irmão para deputado federal. No início de março, o julgamento foi suspenso por um pedido de vista de Peluso para analisar se o conselheiro Nelson Braga, amigo de Zveiter, era suspeito para atuar no caso.

Com a saída de Braga, caiu o motivo que levou o julgamento a ser interrompido. O processo, no entanto, não está na pauta, que tem duas ações disciplinares contra magistrados da Paraíba e a proposta orçamentária do CNJ para 2012.

Os julgamentos mais polêmicos só devem voltar a partir de terça-feira (16), com a expectativa do plenário completo. Além de Kravchychyn, aguardam liberação do Senado o ministro do TST Carlos Alberto de Paula e o juiz trabalhista José Lúcio Munhoz, indicados pelo TST; o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo José Roberto Neves Amorim, indicado pelo STF, e o procurador federal Wellington Saraiva, sugestão da PGR. Os nomes ainda precisam ser aprovados pela presidenta Dilma Rousseff.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!