quinta, 12 de dezembro de 2019

AMAERJ | 02 de maio de 2017 17:24

‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo

Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Delicious Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Digg Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Facebook Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Google+ Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Link-a-Gogo Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on LinkedIn Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Pinterest Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on reddit Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on StumbleUpon Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Twitter Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Add to Bookmarks Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Email Share '‘Brasil não prende demais, ao contrário’, diz Alexandre Abrahão em artigo no Globo' on Print Friendly Whatsapp

O artigo “Verdades e mentiras”, escrito pelo juiz do TJ-RJ Alexandre Abrahão, foi publicado nesta segunda-feira (1) no jornal O Globo. No texto, ele escreve sobre a crise de segurança e do sistema penitenciário do país. “O Brasil não prende demais; ao contrário, prende de menos, como sabe muito bem a população que todo dia anda com medo pelas ruas. O inegável problema da superpopulação carcerária não decorre do “excesso” de pessoas presas. É fruto da falta de vagas, que por sua vez decorre da omissão dos governantes na gestão e expansão do sistema penitenciário.”

Leia a íntegra do artigo:

Verdades e mentiras
O Brasil não prende demais; ao contrário, prende de menos

O primeiro trimestre de 2017 disse a que veio no âmbito da segurança pública. Sangrentas rebeliões em diversas penitenciárias do país, seguidas da greve da PM no Espírito Santo, com a consequente explosão de criminalidade, agitaram a população e a mídia. Temas como superpopulação carcerária, legislação penal, ineficácia da polícia, além dos assombrosos índices de criminalidade, ganharam lugar de destaque no noticiário.

Para muitos de nós, juízes e promotores, vem causando espécie a repetição por alguns acadêmicos (a maioria sem experiência profissional concreta na segurança pública e justiça criminal) de “mantras” como: “encarceramento excessivo”, “excesso de prisões por pequenos delitos”, “prisões preventivas desnecessárias” , “não aplicação de penas alternativas”, e até mesmo o suposto emprego de “critérios racistas” para decidir quem deve ser preso etc.

Uma socióloga, em entrevista na TV, comparou o sistema penitenciário a “um funil”, por cuja larga boca ingressam presos “em excesso” e do qual raros têm oportunidade de sair. “A raiz do problema das prisões no Brasil é o encarceramento em massa. Somos um dos países que mais prendem, a taxa só cresce!”, bradou um professor universitário.

A experiência de muitos anos no foro criminal nos permite constatar quão equivocadas são tais afirmações. Por isso mesmo nos sentimos no dever, como profissionais da área, de trazer alguns esclarecimentos à população.

Somos, na verdade, um dos países que mais matam. A “taxa que só cresce” é, na verdade, a das mortes violentas. São cerca de 60 mil homicídios e latrocínios por ano, dos quais apenas cerca de 8% são apurados. Isso significa que, só no ano passado, autores de mais de 55 mil crimes sequer foram identificados, o que dirá encarcerados.

O nome disso não é “encarceramento em massa”, é impunidade em excesso. O Brasil não prende demais; ao contrário, prende de menos, como sabe muito bem a população que todo dia anda com medo pelas ruas.

O inegável problema da superpopulação carcerária não decorre do “excesso” de pessoas presas. É fruto da falta de vagas, que por sua vez decorre da omissão dos governantes na gestão e expansão do sistema penitenciário.

E aqui vai uma informação omitida pelos “especialistas”: aquele “assaltante” que apontar um fuzil para a sua filha, amigo leitor, será condenado, em média, a 5 anos e 4 meses por roubo. Cumprirá, então, cerca de 11 meses em regime fechado e, depois, terá direito à progressão para o regime semiaberto, onde são garantidas a ele a saída para “visitas ao lar”, a saída de Dia das Mães, de Dia dos Pais etc.

Da próxima vez que você ouvir protestos contra o “encarceramento excessivo”, convém dar uma boa olhada em volta: essa “vítima da sociedade opressora” pode estar desfrutando do regime semiaberto logo ali na esquina.

* Alexandre Abrahão é juiz de direito do TJ-RJ, e Marcelo Rocha Monteiro é procurador de justiça – MPRJ. Ambos são do Movimento de Combate à Impunidade (MCI)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jorge Luiz Cardoso de Abreu 2017-05-03 16:23:36

Quando servi a disposição do TJERJ, na DGSEI (Diretoria Geral de Segurança Institucional), tive a honra de conhecer o MM Juiz de Direito, Drº Abrahão, à época, trabalhava na segurança de Magistrados. Rogo a Deus, que esse grande homem da Justiça, tenha forças e apoio de todos os seguimentos da sociedade, para dar continuidade ao seu belíssimo trabalho, em prol de dias melhores para o nosso amado Rio de Janeiro. Força e Honrra.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.