segunda, 22 de julho de 2019

AMAERJ | 26 de março de 2012 17:50

Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo

Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Delicious Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Digg Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Facebook Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Google+ Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Link-a-Gogo Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on LinkedIn Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Pinterest Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on reddit Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on StumbleUpon Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Twitter Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Add to Bookmarks Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Email Share 'Presidente da Amaerj concede entrevista à TV Aberta São Paulo' on Print Friendly Whatsapp

?

O presidente da Amaerj Cláudio dell’Orto concedeu entrevista, no último dia 19, ao programa “Questão de Justiça”, da emissora comunitária TV Aberta São Paulo. O magistrado explicou a importância dos direitos e prerrogativas para a classe e para a sociedade. “Direitos e prerrogativas garantem uma magistratura independente. Porque é a magistratura independente, bem remunerada, que tem condições de trabalho, dignas e favoráveis, seja de pensar, seja de fazer uma boa sentença, um bom acórdão. Se você encontra um juiz com tranquilidade – em boas condições de trabalho – pode resolver de fato os problemas que um cidadão deposita em sua mão”, disse.

Sobre o CNJ, dell’Orto destacou que o órgão está se revelando importante no controle, mas disse também que há um exagero no desejo de investigar todos os magistrados. “É preciso que o CNJ divida tarefas, o que a AMB sempre pleiteou é a valorização das corregedorias”, afirmou o magistrado, que é diretor de Direitos de Defesa e Prerrogativas da AMB.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Amaerj

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!