terça, 23 de julho de 2019

AMAERJ | 26 de janeiro de 2011 16:31

Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios

Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Delicious Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Digg Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Facebook Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Google+ Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Link-a-Gogo Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on LinkedIn Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Pinterest Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on reddit Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on StumbleUpon Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Twitter Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Add to Bookmarks Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Email Share 'Pedido de vista interrompe julgamento sobre gravações em presídios' on Print Friendly Whatsapp

Pedido de vista formulado pelo conselheiro Jorge Hélio interrompeu o julgamento do Pedido de Providências (PP No. 0004470-55.2010.2.00.0000) apresentado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) oriente e delimite a atuação dos juízes de execução penal em relação ao monitoramento das conversas mantidas pelos presos com seus advogados, familiares e visitantes em geral.

No julgamento do mérito, o relator, conselheiro Paulo Tamburini, sustentou em seu voto que o juiz de execução pode autorizar o monitoramento eletrônico de presos, desde que de forma individualizada, devidamente justificada e fundamentada.

A OAB recorreu ao CNJ alegando que a existência de equipamentos de áudio e vídeo em parlatórios de presídios federais viola o sigilo profissional entre advogado e cliente. As direções dos presididos sustentam que as câmeras só são acionadas com ordem judicial.

Fonte: Agência CNJ de Notícias

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!