quarta, 17 de julho de 2019

AMAERJ | 17 de junho de 2019 12:19

Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux

Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Delicious Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Digg Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Facebook Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Google+ Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Link-a-Gogo Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on LinkedIn Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Pinterest Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on reddit Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on StumbleUpon Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Twitter Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Add to Bookmarks Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Email Share 'Magistrado deve ser ‘olimpicamente independente’, discursa Fux' on Print Friendly Whatsapp

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, abriu na manhã desta segunda-feira (17) o seminário “A magistratura que queremos”, promovido pela Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ). A fala improvisada e descontraída do ministro, futuro presidente da Corte máxima do Judiciário brasileiro, empolgou as cerca de 500 pessoas que lotaram o auditório Antônio Carlos Amorim, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Estavam presentes ministros, desembargadores, juízes, advogados, professores universitários, jornalistas e estudantes de Direito.

Leia também: Luiz Fux e Bruno Bodart lançam o livro ‘Processo Civil e Análise Econômica’
Órgão Especial do TJ-RJ realiza remoção e promoção de dez juízes
Juízes fluminenses avaliam aprendizado em curso sobre a Máfia

No discurso, Fux se referiu, mais uma vez, a um ponto a que sempre alude em seus pronunciamentos públicos: a necessidade de o Judiciário manter-se independente dos demais Poderes.

“Nós, juízes, devemos ser independentes. Em primeiro lugar, independentes. Olimpicamente independentes”, afirmou Fux, para quem os profissionais da magistratura devem ser caracterizados pela “nobreza de caráter” e “ter a arte de fazer uma Justiça caridosa”.

Na abertura do seminário, a mesa de autoridades foi composta pelo presidente do TJ-RJ, Claudio de Mello Tavares; o diretor-geral da EMERJ, André Gustavo; os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Antônio Saldanha, Luis Felipe Salomão e Marco Aurélio Bellizze; o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Jayme de Oliveira; a presidente da AMAERJ, Renata Gil; o sociólogo Luiz Werneck Vianna; o desembargador Agostinho Teixeira de Almeida Filho; e o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

Ainda ao discursar, Fux contou sentir-se saudoso ao visitar o Tribunal de Justiça. “Sou um filho da Casa. Comecei no prédio velho”, rememorou.

A seguir, foi realizada a Conferência Magna, com a participação do norte-americano Bryan Garth, professor de Direito da Universidade da Califórnia, e coordenação do advogado Sérgio Bermudes.

O seminário prossegue nesta tarde de segunda-feira, com realização de três mesas de debates. A presidente Renata Gil coordenará a discussão sobre a pesquisa “Quem somos. A magistratura que queremos”, que apresenta o mais atual perfil da magistratura brasileira.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!