terça, 23 de julho de 2019

AMAERJ | 29 de outubro de 2018 18:38

Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso

Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Delicious Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Digg Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Facebook Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Google+ Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Link-a-Gogo Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on LinkedIn Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Pinterest Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on reddit Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on StumbleUpon Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Twitter Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Add to Bookmarks Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Email Share 'Colaboração premiada ‘veio para ficar’, afirma professor em curso' on Print Friendly Whatsapp

Professor Flávio Mirza

Advogado e professor-adjunto de Direito Processual Penal da UERJ, Flávio Mirza fechou o curso “Temas Contemporâneos da Execução Penal” abordando a relevância da colaboração premiada na execução penal. Além de confirmar que a delação “veio para ficar”, alertou que, ao usá-la, “é importante observar elementos históricos para evitar repetir erros”.

Mirza explicou a necessidade de conciliar a repreensão aos delitos e o respeito às garantias e aos direitos fundamentais dos acusados no processo penal. “O processo é uma hipótese de trabalho que precisa ser verificada. Não se pode trabalhar com a ideia que o sujeito é inocente nem com a perspectiva de que é culpado”, completou ele.

Leia também: ‘O crime é escolha de quem violou a lei’, afirma desembargador federal
Atuação dos juízes da VEP do Rio é destacada como exemplo
‘A fundamentação das decisões é essencial’, diz Saldanha

Ao abordar a delação premiada, o advogado fez um traçado histórico que remeteu à Itália dos anos 1970, quando a chamada Legislação de Emergência foi criada para combater o terrorismo e a máfia. O auge da aplicação da lei foi em 1992, na Operação Mani Pulite (Mãos Limpas, em português), quando foi quebrado o pacto de silêncio entre as organizações criminosas e diversas delações foram feitas.

Trazendo para a experiência brasileira, Mirza lembrou que a delação não é nova na nossa legislação e ganhou notoriedade com a Lei 12.850/2013 (sobre as Organizações Criminosas) e a Operação Lava-Jato. Mas, de acordo com Mirza, sua aplicação pode trazer problemas quando feita em acordos de massa – por problemas na individualização e na própria execução da pena. Outro ponto de questionamento é o cumprimento de pena sem haver processo e, algumas delas, sem a homologação da delação.

Na palestra, ele lembrou que “quando bem empregada, [a delação] pode ser um bom método de obtenção ou pesquisa de prova. Quando se trabalha com sua natureza jurídica correta, como prova de corroboração, passa a ser instrumento importante”, assinalou.

Antes da palestra de Mirza, o promotor de Justiça de São Paulo Lincoln Gakyia falou sobre “A atuação das facções criminosas no sistema penitenciário”. Ele apresentou as características e as ramificações nacionais e internacionais do PCC (Primeiro Comando da Capital), informações coletadas em anos de investigação. Veja aqui as palestras de Lincoln Gakiya e Flávio Mirza.

Lincoln Gakyia, promotor de Justiça de São Paulo

Rafael Estrela, Felipe Gonçalves, Lincoln Gakyia e Flávio Mirza

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!