quinta, 19 de setembro de 2019

AMAERJ | 18 de maio de 2018 17:14

Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal

Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Delicious Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Digg Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Facebook Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Google+ Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Link-a-Gogo Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on LinkedIn Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Pinterest Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on reddit Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on StumbleUpon Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Twitter Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Add to Bookmarks Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Email Share 'Convênio com Instituto viabiliza pós-graduação em Portugal' on Print Friendly Whatsapp

Presidente Renata Gil e diretor do IURJ, Simão Aznar

A AMAERJ assinou convênio com o Instituto Universitário do Rio de Janeiro (IURJ), nesta quinta-feira (17). O acordo proporcionará aos magistrados do Rio participar dos cursos de pós-graduação do Departamento de Direito da Universidade Autônoma de Lisboa (Portugal), no sistema intensivo.

O convênio foi firmado pela presidente da AMAERJ, Renata Gil, e pelo diretor do IURJ, Simão Aznar, na Sede Administrativa da Associação. O convênio vai oferecer condições especiais para os associados da AMAERJ.

Criada em 1985, a Universidade Autônoma de Lisboa é a mais antiga faculdade privada do País.

Leia também: AMAERJ e ITS firmam parceria por cursos de tecnologia para magistrados
Dias Toffoli fala sobre uso de meios digitais em seminário na Rússia
‘Papel do juiz é aplicar o ordenamento jurídico’, diz Saldanha sobre ativismo judicial

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!