quarta, 17 de julho de 2019

AMAERJ | 07 de janeiro de 2019 11:18

CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado

Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Delicious Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Digg Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Facebook Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Google+ Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Link-a-Gogo Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on LinkedIn Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Pinterest Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on reddit Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on StumbleUpon Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Twitter Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Add to Bookmarks Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Email Share 'CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado' on Print Friendly Whatsapp

*Estadão

Alexandre de Moraes, ministro do STF | Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

À frente do grupo de Segurança Pública e Institucional no CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), quer difundir no Brasil a criação de varas colegiadas para processar delitos praticados pelo crime organizado e conexos. Moraes afirmou ao jornal “O Estado de S. Paulo” que não há como combater este tipo de criminalidade sem que o Estado ofereça condições mínimas de segurança aos magistrados, que ficam expostos ao julgar, de forma individual, os membros de organizações ligadas ao tráfico de drogas e armas, por exemplo. Por isso, defende que essas varas especializadas na primeira instância da Justiça tenham cinco juízes fixos, em vez de apenas um.

O ministro chamou de “fracasso” a lei brasileira de 2012 que prevê a instituição provisória de um colegiado de juízes para analisar procedimentos relacionados à organização criminosa. No caso, o magistrado precisa pedir o auxílio de colegas, que são convocados temporariamente. “Não pode constranger a pessoa, fazer com que ele fale que tem receio (de julgar o caso). É a mesma coisa que pedir para nada”, disse o ministro, que já foi secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo e ministro da Justiça no governo Michel Temer, antes de ser indicado para a vaga no STF que foi de Teori Zavascki.

Leia também: Ministro Salomão elege os 30 julgamentos mais importantes do STJ
Desembargador Jayme Boente é nomeado presidente do Conselho de Segurança do Rio
ENM abre inscrições para curso de Direito Comparado nos Estados Unidos

Levantamento do CNJ revelado pelo jornal em maio mostrou que, à época, havia 110 magistrados sob ameaça no País – seis em cada mil juízes. Moraes observa que a proteção desses magistrados é atualmente feita de forma repressiva, e não preventiva. O mapeamento feito pelo CNJ mostra justamente que os riscos na atuação profissional são maiores para os juízes de primeira instância – a média sobe para 7 em cada mil – e menores para desembargadores, quando o índice cai para 2 por mil.

Debate

A criação de varas colegiadas ainda não pode ser considerada uma unanimidade entre os magistrados. A ideia será discutida durante encontro nacional que ocorrerá em fevereiro, quando serão convidados juízes criminais, juízes de execução penal, juízes corregedores de presídios, para que possam discutir as propostas do grupo presidido por Moraes.

“Nem todos concordam, porque violaria o princípio do juiz natural. Para a parte de execução, isso já existe; se isso pode ser ampliado para a vara, é uma questão que vai depender de um debate mais aprofundado”, afirmou o presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), Fernando Mendes.

Para serem implantadas no Brasil, as varas colegiadas precisam de aprovação legislativa. No âmbito estadual, os tribunais devem enviar projeto de lei para às Assembleias Legislativas. Para a Justiça Federal, a proposta deve ser enviada do STJ (Superior Tribunal de Justiça) para o Congresso Nacional, segundo Mendes. Como a estrutura necessita de mais magistrados, os juízes seriam convocados por meio de concurso público. A ideia já foi apresentada por Moraes ao Congresso em maio passado, por meio de uma comissão de juristas presidida por ele.

A criação de uma central de inteligência que cruze informações relativas às organizações criminosas com as polícias e Forças Armadas é outra medida que o ministro da Suprema Corte deseja implantar. A proposta, que não é vista como controversa, também será discutida no evento em fevereiro, e, de acordo com Moraes, é algo que poderia ser feito diretamente pelo Judiciário.

“Hoje não há um banco de dados de inteligência do Judiciário. E o Judiciário é que tem mais condições de fazer isso, porque ele pega informações da polícia, do Ministério Público”, exemplificou o ministro, que foi chamado para presidir o grupo no CNJ pelo presidente do conselho e do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli.

Como as varas colegiadas seriam, em tese, restritas e organizadas só para casos específicos, a ideia de Moraes é que esses órgãos funcionem como centrais para o sistema de inteligência do Judiciário. Para o ministro, a estrutura funcionará tanto para a prevenção de ameaças como no auxílio ao combate do crime organizado. “O juiz de São Paulo que está analisando processos de uma organização criminosa vai descobrir pelo jornal que essas pessoas processadas têm 30 imóveis em Fortaleza.”

3 PERGUNTAS PARA…

Alexandre de Moraes, ministro do STF

1. O Brasil não soube administrar o combate ao crime organizado?

O Brasil teve um preconceito contra a segurança por um pós-trauma gerado pelo ditadura militar. O Brasil confunde autoridade com autoritarismo. Os governos não quiseram se preocupar com segurança pública. Foram dando a interpretação mais fácil, de que segurança pública é coisa dos Estados.

2. Ao que se deve essa ausência histórica do governo federal na temática?

Nos Estados Unidos, não interessa se é partido Republicano ou Democrata. Na Inglaterra, não interessa se é o partido Conservador ou Trabalhista que está à frente da administração. Segurança pública não tem ideologia.

3. Como o sr. avalia as sugestões de aumento de pena para crimes graves?

Não é assim que se combate a criminalidade organizada. A criminalidade não tem o mínimo medo de pena. O que previne o crime é a certeza da punição.


Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!