segunda, 19 de abril de 2021

Cultura | 05 de abril de 2021 10:03

Revista Fórum: Cultura para quebrar ciclos

Desembargador Wagner Cinelli | Foto: Matheus Salomão

Por Evelyn Soares

Um encontro mágico, uma troca de olhares arrebatadora, o primeiro beijo num cenário de sonhos. O encanto inicial do relacionamento se quebra com cenas de ciúmes e violência. A história do casal sem nome do curta “Sobre Ela” resume, em cinco minutos, o ciclo da violência doméstica. Direção, roteiro e trilha sonora do filme premiado em festivais internacionais, que gerou um livro, são do desembargador Wagner Cinelli.

Membro da 17ª Câmara Cível do TJ-RJ, o magistrado tem uma longa história com as artes. Por incentivo do pai, começou no piano aos 6 anos e no violão aos 13, quando descobriu seu maior interesse na música: a composição. O Direito veio para facilitar a entrada na diplomacia, carreira que não chegou a seguir. Cinelli advogou e, ao perceber a vocação de manter-se neutro nas disputas, fez concurso e ingressou na Magistratura do Rio aos 28 anos.

Em 1993, assumiu a 2ª Vara Criminal de Petrópolis, três anos depois notou a chegada de casos de violência doméstica antes esquecidos em prateleiras de delegacias. A mudança veio com a Lei 9.099/1995, “que trouxe para a vista do juiz os crimes antes escondidos”.

Leia também: Sinal Vermelho se torna lei no Rio
‘Não admito a prestação de um serviço ineficiente’, diz corregedor
O Museu tá on

Cinelli conciliou os quase 30 anos de Magistratura com a carreira musical. Gravou discos e, nos últimos anos, passou a filmar clipes das canções de temas sociais. A primeira foi “Kekere”, que trata de memória social, escravidão e discriminação racial. A seguinte, “Acaiaca”, aborda uma lenda indígena de Diamantina (MG).

Da experiência em Petrópolis veio o interesse por temas de interesse social. Nasceu ali o primeiro roteiro de Cinelli, em abril de 2019. O projeto parou três meses até entrar em produção de desenho, design de som e música. Foram cerca de dez meses para completar a animação em 2D, um trabalho minucioso. Um exemplo é a coloração, cuja escala foi propositalmente invertida: o passado colorido se choca com o presente em preto e branco.

Frame do curta ‘Sobre Ela’ | Reprodução

Inscrito em festivais internacionais, o curta foi selecionado em 20. Até o fim de março, venceu o americano New York Movie Awards, o alemão New Wave Short Film Festival, o britânico Screen Power Film Festival e o italiano Milan Gold Awards.

O livro “Sobre Ela: uma história de violência” começou a ser escrito após o roteiro. O projeto parou até abril do ano passado. Cinelli se viu impelido a retomá-lo na pandemia pelo alerta de aumento de casos de violência doméstica.

“Queria contar a história de um jeito que fosse interessante para qualquer pessoa. A violência é aprendida e reproduzida. O desafio é quebrar esse ciclo. Não basta punir, mas prevenir a partir da educação e da cultura”, disse o magistrado. Editada pela Gryphus, a obra está disponível para venda em site e livrarias.

Confira aqui a revista completa.