quarta, 24 de fevereiro de 2021

AMB | 11 de janeiro de 2021 16:31

Pesquisa avalia efetividade da recuperação de crédito na Justiça

Filiados à Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) podem participar da pesquisa “Métricas de qualidade e efetividade da Justiça brasileira: o tempo e o custo de um processo de recuperação de crédito”. O prazo vai até 1º de fevereiro.

O estudo é promovido pelo Centro de Pesquisas Judiciais (CPJ) e pelo Centro de Inovação, Administração e Pesquisa do Judiciário da Fundação Getulio Vargas (CIAPJ/FGV).

Leia também: Campanha da AMAERJ contra feminicídio lança segundo vídeo
Profissionais do Direito debaterão a nova Lei de Falências em webinar
Enfam abre inscrições para disciplinas de Mestrado Profissional

A ideia do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e diretor do CPJ, Luis Felipe Salomão, é avaliar o custo e o tempo de ações de recuperação judicial e identificar os gargalos do processo sob a ótica de magistrados, advogados e empresas recuperandas. “O estudo vai servir de estímulo aos investimentos. Queremos fazer com que os investidores entendam o sistema financeiro brasileiro”, disse Salomão.

Banco Mundial, Conselho Nacional de Justiça (CNJ), tribunais de Justiça, advogados especializados, magistrados e empresas recuperandas integram o estudo que analisará, também, elementos que possam ter contribuído para uma melhor avaliação de outros países no ranking do Doing Business. Cada um deles responderá um formulário específico.

Acesse aqui o formulário para magistrados.

O trabalho é realizado em parceria com o Fórum Nacional de Juízes de Competência Empresarial (Fonajem), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), com apoio do Instituto Recupera Brasil (IRB). A previsão é que o trabalho seja concluído até o fim do primeiro semestre de 2021.

Para a pesquisadora colaboradora da FGV e professora da UFF, Renata Braga, a expectativa é que “o aprofundamento sobre a legislação e o procedimento acerca do tema sejam funcionais para todos os envolvidos”.

Em caso de dúvida, entre em contato com a pesquisadora Fernanda Bragança pelo e-mail fernandabraganca@id.uff.br.

Com informações da AMB e do CNJ