quinta, 12 de dezembro de 2019

AMAERJ | 26 de maio de 2018 21:19

Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’

Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Delicious Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Digg Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Facebook Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Google+ Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Link-a-Gogo Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on LinkedIn Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Pinterest Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on reddit Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on StumbleUpon Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Twitter Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Add to Bookmarks Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Email Share 'Para ministro Noronha ‘é preciso se comunicar com o jurisdicionado’' on Print Friendly Whatsapp

Ministro participou do painel ‘Prerrogativas e Direitos da Magistratura’

O último dia de palestras do XXIII Congresso Brasileiro de Magistrados iniciou com três painéis, dentre eles, a exposição do corregedor nacional de Justiça, ministro João Otávio Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que abordou o tema “Prerrogativas e Direitos da Magistratura”.

O corregedor começou explicando que a jurisdição é um dever e não um poder. “O poder que existe é apenas um instrumento para o exercício da jurisdição. Ele está colocado com a missão de atingir a paz social. De nada valeria, se não pudesse por fim nos conflitos”.

Noronha ressaltou que, atualmente, os juízes passam por muitos questionamentos, inclusive sobre suas garantias e prerrogativas, e qualquer desvio ganha grande repercussão na mídia. “É preciso se comunicar melhor para explicar aos jurisdicionados que as prerrogativas reconhecidas na Lei Orgânica da Magistratura (Loman) e as garantias constitucionais existem para que o juiz seja, antes de tudo, isento”, frisou.

Leia também: Carta e Missiva de Maceió são aprovadas no encerramento do Congresso da AMB
Humberto Martins traça panorama do Judiciário nacional
Marco Aurélio Mello trata de ‘Segurança Jurídica em Épocas de Crise’

“Imaginem os senhores, os juízes sem vitaliciedade ou inamovibilidade?”, indagou o corregedor, exemplificando que um magistrado, decidindo contra grandes influências, sem essas garantias, poderia não ficar por muito tempo numa determinada comarca.

O ministro disse que nessa exposição vivenciada pela magistratura, muitas vezes, a liberdade de expressão é colocada acima da preservação da dignidade moral do cidadão. “É necessário dar eficácia e concretizar o princípio da dignidade humana e não usá-lo para alterar a interpretação jurídica”, ponderou.

O corregedor afirmou ainda que muito se fala em “blindagem” com relação aos juízes, mas ele disse que essa blindagem existe apenas no sentido de que eles possam exercer a jurisdição livres das influências externas e internas também.

A palestra do corregedor teve como presidente de mesa o juiz José de Arimatéa Neves Costa, vice-presidente de Prerrogativas da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), e contou com as participações doo desembargador Nelson Calandra, ex-presidente da AMB; das juízas Maria Rita Garcia e Euma Tourinho, membros da Secretaria de Prerrogativas da AMB.

Ética da Magistratura

Corregedor falou sobre a relação entre magistrados e sociedade

O professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) João Maurício Adeodato e o vice-presidente de Políticas Remuneratórias da Associação Alagoana de Magistrados (AMB), juiz Paulo Cesar Neves foram os palestrantes do painel “Ética da Magistratura”, que ainda teve como presidente de mesa o juiz Ricardo Costa, presidente da Associação Cearense de Magistrados (ACM).

O professor João Adeodato destacou em sua fala três sobrecargas do Judiciário: a do texto, a de detrimento dos outros Poderes e as das instâncias decisórias. De acordo com ele, a sobrecarga do Judiciário em detrimento de outros Poderes é devido a atuação do Judiciário, que por vezes tem que atuar em diversas searas.

O Juiz Paulo César falou da necessidade do magistrado entender de tecnologia e comunicação para exercer com mais eficiência a atividade. “O magistrado tem que ter técnica de comunicação. Hoje perdemos de apresentar projetos úteis para sociedade porque não sabemos lidar com a comunicação”, afirmou.

Paulo César destacou que a procura da sociedade pelos serviços da magistratura comprovam que o Judiciário trabalha centrado na ética e no compromisso. “A sociedade procura muito o Judiciário para resolver suas questões. Isso comprova que ela acredita no trabalho dos magistrados”, acrescentou.

Fonte: Almagis

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!