domingo, 15 de dezembro de 2019

AMAERJ | 28 de abril de 2011 16:12

No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência

Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Delicious Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Digg Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Facebook Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Google+ Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Link-a-Gogo Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on LinkedIn Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Pinterest Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on reddit Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on StumbleUpon Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Twitter Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Add to Bookmarks Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Email Share 'No Rio, juízes federais só atuaram ontem em casos de emergência' on Print Friendly Whatsapp

Os juízes federais do Rio de Janeiro atenderam ontem (27) apenas aos casos de emergência. Eles se reuniram no Centro Cultural da Justiça Federal para discutir melhores condições de trabalho. A paralisação dos juízes federais aconteceu em todo o país. Melhores condições de segurança, revisão de salários e equiparação de direitos com integrantes do Ministério Público Federal são algumas das reivindicações da categoria.

A juíza federal e delegada da Associação dos Juízes Federais no Rio de Janeiro Vellêda Bivar explicou que não se trata de uma greve, e sim, uma tentativa de chamar a atenção para problemas que a sociedade desconhece. “A sociedade não faz ideia do dia a dia do juiz, pois o Estado não arca com despesas para manutenção da segurança dos juízes. Nos último dez anos, dois juízes de execução penal morreram. Geralmente, profissionais que atuam em situações de perigo não são compensados para o isso. O juiz federal não recebe adicional que lhe compense financeiramente o risco suportado no exercício da atividade penal”, disse Vellêda.

No Distrito Federal, a paralisação não foi seguida pela maioria dos magistrados. De acordo com a assessoria do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, o funcionamento, ontem, foi normal, sem prejuízos para quem precisou da Justiça Federal na capital do país.

De acordo com o presidente da Associação de Juízes Federais (Ajufe), Gabriel Wedy, os juízes estão recebendo cada vez mais ameaças do crime organizado. “Nos últimos dois ou três anos, a situação de segurança ficou pior, o crime organizado está cada vez melhor armado e age com inteligência”, disse Wedy.

Os juízes querem a aprovação, pelo Senado, de um projeto de lei que cria uma política especial para proteger os juízes e, também, propõe que crimes praticados por integrantes de organizações criminosas sejam julgados por um colegiado, e não apenas por um juiz, como ocorre atualmente. “Se, realmente, o Senado aprovar essa lei, nós vamos trabalhar tranquilos, sem ser perseguidos e ameaçados”, concluiu.

Fonte: Agência Brasil/Edição: Vinicius Doria

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!