terça, 10 de dezembro de 2019

AMAERJ | 28 de abril de 2011 16:36

Ministros do STF: falta ideologia aos partidos

Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Delicious Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Digg Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Facebook Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Google+ Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Link-a-Gogo Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on LinkedIn Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Pinterest Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on reddit Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on StumbleUpon Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Twitter Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Add to Bookmarks Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Email Share 'Ministros do STF: falta ideologia aos partidos' on Print Friendly Whatsapp

Por dez votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem que a vaga de deputado federal afastado deve ser preenchida pelo suplente da coligação, e não pelo do partido. A decisão não vai mudar a atual configuração de cadeiras na Câmara, pois essa orientação ja vinha sendo tomada pela Mesa Diretora, mesmo tendo o Supremo determinado a posse de alguns suplentes de partidos em decisões liminares (provisórias). No julgamento de ontem, alguns ministros aproveitaram para criticar a falta de ideologia dos partidos brasileiros . que hoje somam 27 e, em breve, a lista ganhara mais um: o PSD.

Desde janeiro, tem sido alvo de polêmica a substituicao de deputados que deixaram a Camara para assumir outros cargos. Ate o inicio deste mes, o STF recebeu 16 acoes pedindo garantia de posse para suplentes de partidos e coligacoes. Em liminares, a Corte estava dividida: cinco ministros beneficiaram suplentes de partidos e quatro, de coligacoes. O presidente da Camara, Marco Maia (PT-RS), manteve o entendimento da Casa de dar preferencia a coligacoes.

A decisão de ontem foi tomada no julgamento de duas ações. Numa delas, Carlos Victor da Rocha Mendes (PSB-RJ), que é primeiro suplente do partido, queria assumir a vaga deixada por Alexandre Cardoso (PSBRJ), secretário de Ciência e Tecnologia do estado do Rio. Em outra ação, o primeiro suplente do PPS de Minas, Humberto Souto, buscava assumir a vaga de Alexandre Silveira (PPS-MG). A relatora, ministra Carmen Lucia, mudou de ideia e defendeu o direito dos suplentes das coligações. Em decisões liminares, ela havia determinado a posse de substitutos de partidos:

– As coligações se sobrepõem durante o processo eleitoral. Não há de se confundir ordem de suplência com o tema da fidelidade partidária, cuja observância se dá no âmbito estrito da relação partido e candidato.

Concordaram com Carmen Lucia os ministros Luiz Fux, Joaquim Barbosa, Jose Antonio Toffoli, Ricardo Lewandowski, Carlos Ayres Britto, Gilmar Mendes, Ellen Gracie, Celso de Mello e o presidente da Corte, Cezar Peluso. Marco Aurelio Mello defendeu os suplentes de partidos.

Ao longo da sessão, ministros afirmaram que os partidos brasileiros carecem de ideologia.

– A grande falha no sistema eleitoral brasileiro e a total ausência de ideologia dos partidos políticos. Se os partidos assumissem posturas definidas, nao teríamos os problemas que temos hoje, que são essas coligações ‘sopa de letras’, que não fazem com que os eleitos se sintam minimamente vinculados a qualquer programa partidário. Nós hoje temos esses partidos fragmentados, que significam muito pouca coisa a respeito de ideologia – disse Ellen Gracie.

Cezar Peluso concordou:

– Todos os partidos tem um programa, o problema é que nenhum deles segue o seu programa…

– Todos os programas são muito parecidos, de modo que o eleitor nao tem grandes opcoes – completou Ellen Gracie.

Hoje, há 48 titulares afastados na Câmara. Dos 48 suplentes, 22 são de partidos diferentes do titular. Eles teriam de deixar os cargos caso a decisão do STF fosse favorável às legendas.

Fonte: O Globo/Carolina Brigido

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!