segunda, 25 de maio de 2020

Notícias | 21 de julho de 2011 14:57

Ministro Cezar Peluso recebe medalha Mérito Santos Dumont

Nesta quarta-feira (20), em comemoração ao 138º aniversário do Marechal-do-Ar Alberto Santos Dumont, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, recebeu do Comando da Aeronáutica a medalha “Mérito Santos Dumont”, na Base Aérea de Brasília. Entre os paraninfos estavam o vice-presidente da República, Michel Temer; o ministro da Defesa, Nelson Jobim; e o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito.

A medalha é concedida aos cidadãos brasileiros ou estrangeiros que tenham prestado notáveis serviços à Aeronáutica brasileira, a militares da Força Aérea Brasileira que tenham se destacado no exercício da profissão e a militares das Forças Armadas Nacionais ou estrangeiras.

Criada em cinco de setembro de 1956, a medalha “Mérito Santos Dumont” é uma homenagem ao espírito do brasileiro Alberto Santos-Dumont, por ocasião das comemorações do cinquentenário do primeiro vôo do ‘Mais-Pesado-Que-o-Ar’.

Ao receber a homenagem, o ministro Cezar Peluso destacou a importância da condecoração.

“É uma homenagem ao Supremo Tribunal Federal e, por conseguinte, ao próprio poder Judiciário. De fato, ambos merecem o reconhecimento da nação, das Forças Armadas, em particular, da Aeronáutica, pelos serviços relevantíssimos que prestam ao povo brasileiro”, declarou o ministro.

O ministro da Justiça José Eduardo Martins Cardozo e o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Gilson Langaro Dipp, também foram agraciados com a medalha.

Trafego aéreo

Durante a solenidade, o chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, brigadeiro-do-ar Marcelo Kanitz Damasceno explicou sobre o sistema da Aeronáutica, que consiste na defesa e no controle do trafego aéreo brasileiro.

“Nós integramos o sistema utilizando radares; a defesa aérea que é a parte militar desse controle; e o controle de tráfego aéreo, que é trabalhado por controladores militares e civis”, esclareceu.

De acordo com ele, o sistema não é único no mundo, mas é um sistema consagrado que dá bons resultados, além de redundar a economia desses meios.

“Sem dúvida, Santos Dumont estaria orgulhoso com a Aeronáutica de hoje. Ele nasceu no país certo”, concluiu o brigadeiro-do-ar.

Fonte: STF