terça, 18 de fevereiro de 2020

AMAERJ | 14 de fevereiro de 2020 18:15

Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)

Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Delicious Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Digg Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Facebook Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Google+ Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Link-a-Gogo Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on LinkedIn Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Pinterest Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on reddit Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on StumbleUpon Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Twitter Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Add to Bookmarks Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Email Share 'Magistrada Patrícia Acioli faria 56 anos nesta sexta-feira (14)' on Print Friendly Whatsapp
Juíza Patrícia Acioli | Foto: Reprodução

Nesta sexta-feira (14), viva estivesse, a juíza Patrícia Acioli estaria completando 56 anos de vida. Tocaiada ao chegar em casa em Niterói (cidade na Região Metropolitana do Rio), na noite de 12 de agosto de 2011, por criminosos travestidos de policiais militares, a magistrada é um símbolo da luta em defesa dos direitos humanos empreendida pela magistratura brasileira.

Diretora de Assistência e Previdência da AMAERJ, a desembargadora Regina Lúcia Passos, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), lembra com pesar da “grande e saudosa” amiga querida.

“A saudade é imensa, além da dor de ter acontecido tamanha tragédia com essa mulher tão querida. A ação foi tão infame que é considerada um dos 30 maiores crimes históricos do Brasil em todos os tempos. Seus algozes estão presos. Na medida do possível, Justiça foi feita, mas nada nos consola, sobretudo pela triste constatação de que a imolação a que Patrícia foi exposta, infelizmente, pode não ter servido de exemplo final”, escreveu a desembargadora.

Regina Lúcia Passos complementa seu texto ao abordar a necessidade de, jamais, a impunidade prevalecer.

“Morreu uma grande mulher, uma grande magistrada. Temos o dever de conservar sua memória, principalmente ao impedir que se repitam tais atos hediondos, além de garantir que os facínoras não experimentem, um dia sequer, qualquer sensação de prevalência da impunidade. Patrícia não pode continuar sendo assassinada… Ela, infelizmente, não foi a primeira magistrada assassinada em razão da função, mas que tenha sido a última!”.

Leia também: Magistrados do TJ-RJ devem regularizar declarações de rendimentos e bens até março
CNJ prorroga até 30 de junho estudos sobre implantação de juiz das garantias
Luiz Fernando Souza Filho assume a AMAERJ-Petrópolis na quarta (19)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gilson 2020-02-15 02:14:14

Era uma grande mestre ministrava aulas de Direito Civil na SUAM. Saudades! Que a tenha em um bom lugar.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Marília Pereira 2020-02-15 04:26:55

Feliz , apesar da dor da perda da juíza em questão, por ter a certeza que existe no Judiciário pessoas de grande valor. Diante da presença assustadora de tantos representantes desta entidade sem o menor caráter nos resta este consolo. Obrigada Juíza Patrícia Acioli por sua integridade e profissionalismo e à desembargadora Regina Lúcia Passos por nós trazer esta lembrança.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Jornal da Rua XV - Curitiba 2020-02-16 08:46:17

Publicado em www.ruaxv.com.br e www.jornalaguaverde.com.br Nossa homenagem a uma brasileira honrada, valorosa, heróica. Nossa homenagem aos magistrados que defendem com o risco da própria vida a verdadeira justiça em nosso país. José Gil, diretor do Jornal da Rua XV e Jornal Água Verde - Curitiba

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Maria da Fé Ramos Pontes 2020-02-16 09:10:02

Companheira mártir dos mártir brasileiros.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
luiz avelino tuy 2020-02-16 12:36:37

Triste acontecer isso com uma colega do Direito fazendo seu trabalho para Sociedade de bem....fica meus sentimentos como Estagiário de Direito.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Irene 2020-02-16 19:49:24

Vdd. Nenhuma mulher merece um fim como esse.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.