segunda, 09 de dezembro de 2019

AMAERJ | 28 de abril de 2011 16:07

Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST

Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Delicious Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Digg Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Facebook Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Google+ Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Link-a-Gogo Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on LinkedIn Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Pinterest Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on reddit Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on StumbleUpon Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Twitter Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Add to Bookmarks Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Email Share 'Juízes não podem fazer paralisação, diz presidente do TST' on Print Friendly Whatsapp

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Oreste Dalazen, afirmou ontem  (27) que discorda da paralisação dos juízes federais. “Os juízes, como agentes do Estado, não devem fazer greve”, defendeu o ministro. Ele também disse desconhecer se há algum tipo de movimentação semelhante ocorrendo na Justiça do Trabalho.

Perguntado sobre o corte de salário que ocorrerá no subsídio dos juízes que aderiram à paralisação de 24 horas, decidido pelo Conselho da Justiça Federal (CJF) na última segunda-feira (25), o ministro Dalazen afirmou que concorda com a medida. “Recentemente, o senador Aloysio Nunes [PSDB-SP] me procurou para ajudá-lo a regulamentar um projeto sobre greve no serviço público. Enquanto isso não ocorre, vale a regra do serviço privado”, disse o ministro.

Juízes federais de todo o país completaram ontem (27) um dia de paralisação para cobrar segurança e melhores condições de trabalho, reajuste de salário e equiparação de direitos com membros do Ministério Público. A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), que lidera o movimento, informou que os juízes federais que aderiram à paralisação estão atuando nos casos de emergência.

Fonte: Agência Brasil/repórter Débora Zampier; edição Vinicius Doria

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!