sábado, 14 de dezembro de 2019

AMAERJ | 22 de maio de 2012 15:37

Juiz deverá ficar responsável por precatórios

Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Delicious Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Digg Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Facebook Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Google+ Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Link-a-Gogo Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on LinkedIn Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Pinterest Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on reddit Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on StumbleUpon Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Twitter Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Add to Bookmarks Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Email Share 'Juiz deverá ficar responsável por precatórios' on Print Friendly Whatsapp

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou nesta segunda-feira (21/5), durante a 147ª sessão ordinária, proposta de elaboração de recomendação aos tribunais de Justiça para que o setor de precatórios fique sob a responsabilidade de um juiz auxiliar da Presidência de cada tribunal. Já a coordenação da secretaria do setor deve ser ocupada necessariamente por um servidor de carreira do tribunal.

A proposta foi apresentada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, ministro Ayres Britto, durante o julgamento do processo de reclamação disciplinar para apurar suspeitas de irregularidades no setor de precatórios do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN). Ao final do julgamento, Ayres Britto alertou que o setor de precatórios é um ponto de fragilidade no Poder Judiciário, e precisa de cuidado especial dos tribunais.

No caso do Rio Grande do Norte, as apurações em andamento apontam para desvio de R$ 13,2 milhões por servidores e dois desembargadores. Há indícios de que, por meio de diversos expedientes, eram fraudados os cofres públicos, utilizando-se pagamentos de precatórios duplicados ou valores muito acima do devido a pessoas que nem eram credoras do setor público.

O ministro Ayres Britto informou que primeiro o Conselho fará a recomendação aos tribunais e ela pode se transformar em determinação, caso os tribunais não adotem as providências de maior controle do pagamento de precatórios. “Se ficar tudo na base da lantejoula, da perfumaria, vamos para resolução”, disse. A ministra Eliana Calmon explicou que alguns tribunais colocaram até desembargador para cuidar dos precatórios, pois sabem que se trata de área sensível.

Fonte: Agência CNJ de Notícias

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!