sexta, 18 de setembro de 2020

Destaques da Home | 12 de setembro de 2018 12:46

Jornalista Eugênio Bucci falará na Emerj sobre as fake news

Fake news é o tema do debate que o jornalista Eugênio Bucci participará na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj), em 27 de setembro. Ele discutirá sobre “Fato, Fake e Perplexidades”.

Bucci debaterá com o professor Kleber Couto, procurador de Justiça do Estado, e com a jornalista Cristina Tardáguila, fundadora e diretora da Agência Lupa. A abertura caberá ao desembargador do TJ-RJ Fernando Foch, presidente do Fórum Permanente de Mídia e Novas Tecnologias da Informação.

Leia também: Inscrições para Prêmio Patrícia Acioli abertas até dia 22
Dias Toffoli toma posse como presidente do STF nesta quinta-feira
Livros de Daniel Vargas e Rafael Estrela serão lançados no TJ-RJ

Além de abordar o fenômeno da difusão em larga escala de notícias falsas por meio das redes sociais, o debate abordará questões como liberdade de expressão, isenção dos serviços de distinção entre o que é fato e o que é fake e capacidade de discernimento do destinatário da informação.

O evento, que acontecerá das 9h às 12h, integra o Fórum Permanente de Mídia e Novas Tecnologias da Informação da Emerj e tem como público alvo profissionais e estudantes de Direito e de Comunicação. As inscrições são gratuitas.

Sobre Eugênio Bucci

Bucci é graduado em Jornalismo e em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Ciências da Comunicação, também pela USP. Ele leciona na Escola de Comunicações e Artes (ECA) e é pesquisador visitante do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da Universidade de São Paulo (USP).

Colunista do jornal “O Estado de S. Paulo” e do site “Observatório da Imprensa”, Bucci integrou o conselho curador da Fundação Padre Anchieta (TV Cultura de São Paulo) de 2007 a 2010. De 2003 a 2007, ele presidiu a Radiobras.

Como crítico de televisão e de cultura, manteve colunas em jornais “Folha de S. Paulo” e “Jornal do Brasil” e nas revistas “Veja”, “Nova Escola” e “Sem Fronteiras”. Na Editora Abril, foi diretor de redação de revistas mensais e secretário editorial.

Fonte: TJ-RJ