sexta, 14 de agosto de 2020

Inscrições prorrogadas até 17/8

AMAERJ | 10 de junho de 2020 11:08

AMAERJ reúne magistrados homens em filmagem contra o feminicídio

A AMAERJ lançou nesta quarta-feira (10) vídeo em que seis magistrados do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro fazem um alerta aos agressores de mulheres. As filmagens aconteceram ao longo de dois dias nos municípios do Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana.

O vídeo tem divulgação simultânea à campanha organizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de combate ao feminicídio e à violência no lar.

Para o presidente da AMAERJ, Felipe Gonçalves, o vídeo deixa claro que a sociedade brasileira não admite mais o convívio com homens que adotam comportamentos agressivos contra suas companheiras.

Gonçalves destacou a participação da idealizadora da campanha local, juíza Juliana Cardoso, diretora do Departamento de Acompanhamento das Políticas de Atendimento à Mulher e das Varas de Violência Doméstica da AMAERJ.

A proposta apresentada por Juliana Cardoso foi a de reunir em um filme curto os pronunciamentos de magistrados homens em defesa das mulheres vítimas de violência. A mensagem da AMAERJ tem as hashtags #magistradosporelas e #magistraturaporelas.

Participaram das filmagens o juiz Antônio Aurélio Abi Ramia, 2º vice-presidente da AMAERJ; o juiz Richard Robert Fairclough, secretário-geral da AMAERJ; o desembargador Fábio Dutra, presidente do Instituto dos Magistrados do Brasil (IMB); o desembargador Cesar Cury, diretor do Departamento de Estudos e Pesquisas da AMAERJ; o juiz Luís Gustavo Vasques, diretor de Acompanhamento das Políticas de Atendimento à Mulher e das Varas de Violência Doméstica da AMAERJ; e o juiz Felipe Gonçalves, presidente da Associação.

Responsável pelas filmagens, o jornalista Matheus Salomão, especialista em mídia digital da Assessoria de Comunicação Social da AMAERJ, confessa ter se emocionado durante o serviço.

“Foi muito trabalhoso, porque tivemos pouco tempo para fazer as gravações. Mas é extremamente gratificante atuar numa causa tão nobre quanto à do enfrentamento à violência doméstica. O engajamento dos magistrados me comoveu”, afirmou Salomão.