sexta, 18 de janeiro de 2019

AMAERJ | 12 de dezembro de 2018 09:51

Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola

Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Delicious Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Digg Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Facebook Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Google+ Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Link-a-Gogo Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on LinkedIn Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Pinterest Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on reddit Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on StumbleUpon Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Twitter Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Add to Bookmarks Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Email Share 'Renata Gil fala sobre avanços no combate à corrupção em entrevista à TV Pública de Angola' on Print Friendly Whatsapp

A presidente da AMAERJ e vice-presidente Institucional da AMB, Renata Gil, foi entrevistada pela Televisão Pública de Angola após participar do evento “Corrupção – um Combate de Todos para Todos”, promovido pela Procuradoria-Geral da República do país africano. A magistrada falou sobre o cenário atual da Justiça angolana.

“Angola já tem um sistema legislativo bastante inovador. Na última vez em que estive aqui, em 2012, o país não possuía esse arcabouço legislativo. Hoje, existem as leis, e Angola já subscreveu todos os tratados internacionais importantes relacionados a esse tema”, disse a magistrada brasileira. Assista aqui à reportagem.

Para desenvolver o combate institucional à corrupção, Renata Gil sugere que a Justiça de Angola determine “medidas constritivas, como o congelamento de bens”, e foque “no trabalho de efetividade da legislação”, além de “ter coragem, usar a caneta e providenciar que esses recursos sejam revertidos de novo para a sociedade angolana”.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!