quinta, 23 de maio de 2019

AMAERJ | 14 de março de 2019 11:53

Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018

Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Delicious Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Digg Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Facebook Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Google+ Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Link-a-Gogo Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on LinkedIn Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Pinterest Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on reddit Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on StumbleUpon Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Twitter Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Add to Bookmarks Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Email Share 'Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018' on Print Friendly Whatsapp
Foto: Reprodução/ Migalhas

O TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) registrou 88 feminicídios em 2018 e 23 tentativas de feminicídio. Os números são menores que os dos anos anteriores: em 2017 e 2016, foram 89 e 54 assassinatos, por questão de gênero, e 27 e 13 tentativas. Dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) mostram que tribunais estaduais de todo o país movimentaram 13.825 casos de feminicídio em 2017, num total de 4.829 sentenças.

Leia também: Tribunal pauta 1.202 audiências na Semana Justiça pela Paz em Casa
Ministros participam no Rio de evento sobre combate à corrupção
Em artigo, Adriana Mello pede pacto social contra a violência de gênero

O feminicídio foi incluído no Código de Processo Penal com a lei 13.104/2015. Segundo o texto, o crime é tipificado dessa forma quando o assassinato de uma mulher acontecer em razão do gênero e envolver violência doméstica e familiar ou menosprezo e discriminação à condição de mulher. A pena prevista é de 12 a 30 anos de reclusão.

A mudança possibilitou o mapeamento desse tipo de crime e a criação e políticas públicas para prevenir e evitar a violência contra a mulher.

Mutirão na Justiça

O Tribunal do Rio pautou 1.202 audiências para a 13ª Semana Justiça pela Paz em Casa, que termina nesta sexta-feira (15). Todos os processos são de violência doméstica e familiar contra a mulher. A iniciativa, promovida pelo CNJ em parceria com os Tribunais de Justiça estaduais, objetiva ampliar a efetividade da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), concentrando esforços para agilizar o andamento de processos relacionados à violência de gênero.

Iniciado em março de 2015, o Justiça pela Paz em Casa tem três edições por ano. As semanas ocorrem em março, marcando o Dia da Mulher; em agosto, por ocasião do aniversário de sanção da Lei Maria da Penha; e em novembro, quando a ONU estabeleceu o dia 25 como o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher.

Fonte: TJ-RJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!