terça, 18 de setembro de 2018

AMAERJ | 31 de agosto de 2018 12:03

‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ

Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Delicious Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Digg Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Facebook Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Google+ Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Link-a-Gogo Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on LinkedIn Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Pinterest Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on reddit Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on StumbleUpon Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Twitter Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Add to Bookmarks Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Email Share '‘Época’ revela os planos de Dias Toffoli à frente do STF e do CNJ' on Print Friendly Whatsapp

Dias Toffoli caminha nos corredores do STF | Foto: Ailton de Freitas/ Agência O Globo

Futuro presidente da Suprema Corte do país, o ministro Dias Toffoli apresentou seu plano de atuação para os próximos dois anos na reportagem de capa da revista “Época”, publicada nesta sexta-feira (31). Sua trajetória profissional também foi destacada. Ele assumirá a presidência do Supremo Tribunal Federal e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) em 13 de setembro. O ministro Luiz Fux será empossado vice-presidente da Corte.

“Daqui até o fim do ano não será o momento de pautar questões polêmicas”, apontou o ministro, ao afirmar que os temas polêmicos serão julgados em 2019. Segundo a reportagem, a cautela de Toffoli é reflexo do atual panorama nacional: no momento político, eleições e transição de governo; no Judiciário, a intenção é reduzir o protagonismo.

“Num país com uma Constituição que fala de tudo e trata de tudo, temos de ter uma autocontenção. Não cabe a nós querer ser o motor da sociedade. O motor da sociedade são as eleições e a representatividade dos eleitos pelo povo, seja para o Executivo, seja para o Legislativo. Ao Judiciário, cabe resolver os conflitos que surgem na sociedade, dentro dos parâmetros da Constituição e das leis”, disse Toffoli à revista.

A reportagem também mostra o papel conciliador do ministro no STF, além de suas trajetórias familiar e profissional. Confira aqui na íntegra a reportagem da Época.

Leia também: Ministro Dias Toffoli é eleito presidente do STF e do CNJ
Conheça os planos do ministro Dias Toffoli para o Supremo e para o CNJ
Toffoli quer fazer da assistência a vítimas de violência doméstica sua marca no CNJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!