sexta, 21 de julho de 2017

AMAERJ | 18 de maio de 2017 16:42

‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo

Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Delicious Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Digg Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Facebook Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Google+ Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Link-a-Gogo Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on LinkedIn Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Pinterest Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on reddit Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on StumbleUpon Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Twitter Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Add to Bookmarks Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Email Share '‘Somente quatro desembargadores do Rio são negros’, diz Paulo Rangel à TV Globo' on Print Friendly Whatsapp

O desembargador Paulo Rangel (3ª Câmara Criminal do TJ-RJ) participou, nesta quinta-feira (18), do programa “Encontro com Fátima Bernardes”, da TV Globo. Primeiro promotor de Justiça negro a ser nomeado desembargador do TJ-RJ, ele contou as dificuldades enfrentadas na carreira. “Dos 180 desembargadores, somente quatro são negros. Quando cheguei, em 2010, era sozinho”, disse.

Morador de Jardim Sulacap (Zona Oeste), Rangel falou sobre seu crescimento profissional. “Meu primeiro emprego foi de porteiro nas Casas Pernambucanas. Tinha feito até o ensino médio. Queria fazer faculdade de Direito, mas não tinha tempo para estudar, nem dinheiro. Fiz concurso para a Polícia Civil e fui ser detetive. Fiz a faculdade de Direito e concurso para o Ministério Público. Como promotor, a vida mudou, com uma condição financeira melhor. O apoio da família foi fundamental.”

Assista aqui à entrevista.

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 1,4% dos magistrados brasileiros são negros. No 1º Encontro Nacional de Juízas e Juízes Negros, promovido em Brasília na última semana, operadores do Direito defendem a maior presença de negros no Judiciário.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Creidemar rodrigues 2017-05-18 23:33:28

tive o prazer de conhecer o desembargador Paulo Rangel é uma honrra conhecer a história dele já trabalhei na casa dele e vi um importante é ao mesmo tempo simples.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.