terça, 23 de julho de 2019

AMAERJ | 08 de agosto de 2011 15:34

Sete mulheres disputam vaga no Supremo

Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Delicious Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Digg Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Facebook Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Google+ Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Link-a-Gogo Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on LinkedIn Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Pinterest Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on reddit Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on StumbleUpon Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Twitter Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Add to Bookmarks Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Email Share 'Sete mulheres disputam vaga no Supremo' on Print Friendly Whatsapp

A sucessão da ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Ellen Gracie mal começou e da disputa surgem os nomes de sete mulheres. A Folha ouviu de ministros do Supremo, juristas e petistas próximos ao Planalto suas apostas sobre quem será a terceira integrante do sexo feminino a ocupar uma cadeira no tribunal.

O lobby em favor das mulheres vem de todos os lados. A ministra do STM (Superior Tribunal Militar), Maria Elizabeth Rocha, tem apoio do ministro Dias Toffoli, seu amigo, e de José Dirceu, réu no processo do mensalão. Indicada à corte militar pelo ex-presidente Lula, trabalhou na subchefia de assuntos jurídicos da Casa Civil de 2003 a 2007.No STM, julgou o pedido da Folha para ter acesso ao processo de Dilma quando foi presa durante a ditadura (1964-85). Apesar de ter votado favoravelmente ao jornal, foi responsável por interromper o julgamento, que só voltou a ocorrer após a eleição.

A juíza do Tribunal Penal Internacional Sylvia Steiner está na disputa porque seu mandato na corte, com sede em Haia (Holanda), termina em 2012, e o cargo é uma das opções visadas por Ellen depois de deixar o Supremo. Juíza federal, é benquista pelo presidente do STF, ministro Cezar Peluso, e por Ricardo Lewandowski.

Se dependesse do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), porém, a vaga iria para Flávia Piovesan, sua colega na Procuradoria do Estado e na PUC-SP. Foi pela atuação na área de direitos humanos que se aproximou de uma parte do PT que a apoia.

Outra opção para Dilma é a desembargadora Neuza Maria Alves da Silva. Negra e baiana, é pouco conhecida na política da capital, mas tem o apoio do governador Jaques Wagner (PT).

Do STJ (Superior Tribunal de Justiça), onde os ministros são, em regra, candidatos naturais para o Supremo, aparecem dois nomes: Fátima Nancy Andrighi e Maria Thereza Rocha Moura. A primeira, conhecida por uma atuação dura, é vista como azarona. Já a segunda, especialista em processo penal, chegou ao posto atual com a ajuda de Márcio Thomaz Bastos (ex-ministro da Justiça) e tem mais chance de emplacar que sua colega.

Outro nome é Eunice Carvalhido, bastante conhecida no mundo jurídico brasiliense. É casada com o ministro aposentado do STJ, Hamilton Carvalhido. Foi indicada por Lula ao cargo atual.

Fonte: Folha de São Paulo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!