quarta, 26 de junho de 2019

AMAERJ | 14 de abril de 2019 11:20

Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams

Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Delicious Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Digg Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Facebook Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Google+ Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Link-a-Gogo Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on LinkedIn Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Pinterest Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on reddit Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on StumbleUpon Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Twitter Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Add to Bookmarks Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Email Share 'Renata Gil relata, em ‘O Dia’, funcionamento precário das Deams' on Print Friendly Whatsapp
Presidente da AMAERJ, Renata Gil.

Em artigo publicado neste domingo no jornal carioca “O Dia”, a presidente da AMAERJ, Renata Gil, alerta a sociedade para as precariedades enfrentadas pelas Delegacias de Atendimento à Mulher do Estado do Rio, as Deams. Sem um primeiro amparo de qualidade à mulher vítima da violência, os inquéritos policiais são mal elaborados, o que, mais adiante, dificultará em muito a atuação do Ministério Público, dos magistrados e dos tribunais do júri, nos casos de feminicídio.

Leia também: Podcast da AMAERJ repercute o debate sobre a Previdência
Críticas à Reforma unem operadores do Direito e deputados
Juiz nega pedido de preso por tentativa de feminicídio de paisagista

Renata Gil, titular da 40ª Vara Criminal do Rio e vice-presidente Institucional da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), escreve que “nenhuma vítima de violência doméstica se sente bem ao depor em ambiente inadequado, pouco acolhedor”.

Leia o artigo na íntegra.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!