terça, 15 de outubro de 2019

AMAERJ | 26 de setembro de 2019 11:19

Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso

Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Delicious Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Digg Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Facebook Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Google+ Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Link-a-Gogo Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on LinkedIn Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Pinterest Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on reddit Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on StumbleUpon Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Twitter Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Add to Bookmarks Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Email Share 'Renata Gil critica no Estadão e no ConJur a queda de vetos da Lei do Abuso' on Print Friendly Whatsapp

A derrubada pelo Congresso Nacional dos vetos presidenciais à Lei de Abuso de Autoridade indignou a magistratura brasileira e mobilizou, mais ainda, suas principais lideranças. A presidente da AMAERJ, Renata Gil, manifestou, nesta quarta-feira (25), o inconformismo da classe à decisão dos parlamentares. Em artigo no jornal “O Estado de S. Paulo” e em entrevista ao portal Consultor Jurídico (ConJur), Renata Gil, disseca o tema.

Em São Paulo, Renata Gil promoveu o primeiro ato de repúdio à derrubada, logo cedo. O ato aconteceu antes da palestra por ela proferida no congresso jurídico “Leis Penais Extravagantes”. Os 60 magistrados presentes ao encontro, ocorrido no TJM-SP (Tribunal de Justiça Militar de São Paulo), ficaram de pé para se manifestar contra o resultado da votação do Congresso.

Leia também: Decisão sobre reabertura da Niemeyer deve ocorrer em novembro
Em SP, Renata Gil promove ato contra queda de vetos do Abuso
EMERJ já inscreve para cursos de formação continuada

No artigo publicado no Estadão, a presidente da AMAERJ sustenta que os vetos representam “uma tentativa inaceitável de intimidação da Magistratura”.

“O objetivo escuso dessa inconstitucional legislação é impedir a atuação independente e firme de todos os magistrados brasileiros no combate à corrupção”, afirma a líder associativa.

Ao ConJur, Renata Gil credita a decisão dos parlamentares a “uma absoluta retaliação” à ação independente da Magistratura contra a corrupção. Segundo ela, a decisão esteve amparada em “questões pessoais” e que “a vida do magistrado brasileiro criminal” será afetada de “uma forma muito contundente”.

Leia aqui o artigo no Estadão e a entrevista ao ConJur

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!