terça, 12 de dezembro de 2017

AMAERJ | 07 de dezembro de 2017 11:41

‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela

Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Delicious Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Digg Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Facebook Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Google+ Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Link-a-Gogo Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on LinkedIn Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Pinterest Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on reddit Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on StumbleUpon Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Twitter Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Add to Bookmarks Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Email Share '‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela' on Print Friendly Whatsapp

* O Globo

Foto: Julio Cesar Guimaraes / Agência O Globo

O juiz Rafael Estrela Nóbrega, da Vara de Execuções Penais (VEP), afirmou que a sociedade tem se contentado com o encarceramento dos criminosos, sem se preocupar com o processo que vem depois. E, na visão dele, isso contribui para o problema da violência no estado e no Brasil. Nóbrega participou nesta quarta-feira (6) do painel sobre segurança pública do “Reage, Rio!”, no Museu do Amanhã, na Praça Mauá.

O magistrado demonstrou preocupação com o crescimento vertiginoso do número de presos no sistema.

– Quando estive na VEP pela primeira vez, em 2009, havia no sistema prisional do Rio 23.450 presos. Em 2017, já são pouco mais de 50 mil presos – disse, afirmando ser preciso uma seletividade sobre quem vai colocar atrás das grades.

Leia também: ‘Reage, Rio!’: ‘Nossos desafios começam em 2018’, diz Jacqueline Montenegro sobre voto consciente
EMERJ promove curso sobre prisão e medidas cautelares em convênio com a ENM
‘Vemos a generalização do mal na política partidária brasileira’, diz o novo presidente do TRE-RJ

Segundo Nóbrega, quando for necessário prender, é preciso pensar na ressocialização:

– Precisamos trabalhar esse ser humano. Um dia, esse preso vai voltar ao convívio social. Então, precisamos trabalhar essa pessoa que está dentro do sistema prisional, precisamos ter um olhar mais humano. A sociedade se contenta com a prisão.

Nóbrega salientou a dificuldade dos presos em ressocializar-se. Segundo ele, há cerca de 11 mil presos em regime semiaberto no Estado do Rio, mas apenas 368 podem sair para trabalhar porque possuem um emprego.

– Isso é um número muito pequeno, e se dá porque nós da sociedade nos preocupamos muito com o encarceramento. Mas, um dia, esse preso sai, e sai pior do que entrou – disse.

O juiz informou que o número de presos que saem para trabalhar e não voltam é muito pequeno, o que demonstra uma vontade deles em se ressocializar. Nóbrega apontou ainda que 49% dos presos que estão atualmente no sistema penitenciário são reincidentes. Ele frisou que seria importante a contribuição do empresariado para o oferecimento de cursos e de emprego aos presos, ajudando na ressocialização.

Fonte: O Globo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!