sexta, 23 de agosto de 2019

AMAERJ | 01 de agosto de 2011 15:51

Proposta muda regras de Justiça gratuita

Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Delicious Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Digg Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Facebook Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Google+ Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Link-a-Gogo Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on LinkedIn Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Pinterest Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on reddit Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on StumbleUpon Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Twitter Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Add to Bookmarks Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Email Share 'Proposta muda regras de Justiça gratuita' on Print Friendly Whatsapp

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 717/11, do deputado Vicente Candido (PTSP), que altera as regras de assistência jurídica gratuita ao incapaz de arcar com as despesas processuais (hipossuficiente). O texto revoga a Lei 1.060/50, que trata sobre a hipossuficiência.

Segundo o autor da proposta, a lei em vigor não está de acordo com a Constituição, que prevê a comprovação da situação de incapacidade financeira. Candido argumenta que a presunção genérica de hipossuficiência tem gerado abusos. “A perda de receita judicial tem trazido sérios prejuízos à administração pública, pois os recursos que deveriam ser canalizados para quem precisa da gratuidade são destinados a atendimento de quem não precisa”, disse o parlamentar.

A proposta prevê diferentes formas de concessão da assistência jurídica para os hipossuficientes, como suspensão temporária ou parcelamento dos pagamentos.

A legislação atual garante a isenção total ou parcial das despesas judiciais. Pelo projeto, a isenção total só será concedida quando não for possível o parcelamento integral em até 36 meses, o pagamento das despesas com desconto (isenção parcial) ou ainda isenção parcial com o pagamento do restante em parcelas.

“Como a maioria das pessoas adquire produtos a prestações, assim também o parcelamento das despesas judiciais poderia atender ao solicitante que não tem condições de pagar a despesa de uma só vez”.

Fonte: Jornal do Commercio

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!