segunda, 20 de maio de 2019

AMAERJ | 14 de março de 2019 15:34

‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada

Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Delicious Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Digg Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Facebook Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Google+ Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Link-a-Gogo Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on LinkedIn Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Pinterest Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on reddit Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on StumbleUpon Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Twitter Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Add to Bookmarks Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Email Share '‘Patriarcado está presente em todos os lares’, afirma magistrada' on Print Friendly Whatsapp
Maria Fernanda, Tula Mello, Miriam Leitão e Luana Génot | Foto: Domingos Peixoto/O Globo

Uma conversa sobre o que significa ser mulher no Brasil foi promovida, na noite de terça-feira (12), pelo jornal “O Globo”. A juíza do TJ-RJ Tula Mello participou do evento, em Botafogo. Para ela, o machismo estrutural da sociedade brasileira se reflete em casos que passam pelo Judiciário.

“Enquanto homens morrem nas ruas, pela violência ou em acidentes de trânsito, as mulheres morrem em casa, pelas mãos de seus parceiros. O patriarcado está presente em todos os lares”, disse a magistrada.

Leia também: Tribunal de Justiça do Rio registra 88 feminicídios em 2018
À Tupi, Renata Gil alerta sobre apoio precário à mulher vítima de violência
AMAERJ trabalha contra injustiças da Reforma da Previdência

Também participaram do evento a jornalista Miriam Leitão, Luana Génot (fundadora e diretora-executiva do Instituto Identidades do Brasil) e Maria Fernanda Delmas (editora-executiva de “O Globo”).

No evento, foram exibidos o documentário “As duas tragédias de Marielle Franco”, um vídeo com depoimentos de jornalistas de “O Globo” sobre episódios de machismo e um curta sobre Celina Guimarães Viana, a primeira eleitora do Brasil.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!