quarta, 17 de julho de 2019

AMAERJ | 12 de julho de 2019 16:29

Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos

Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Delicious Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Digg Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Facebook Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Google+ Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Link-a-Gogo Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on LinkedIn Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Pinterest Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on reddit Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on StumbleUpon Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Twitter Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Add to Bookmarks Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Email Share 'Núcleo de Pesquisa da Escola da Magistratura do Rio faz três anos' on Print Friendly Whatsapp

Pautado em leis, tratados e convenções com base nos direitos humanos, o Núcleo de Pesquisa em Gênero, Raça e Etnia (Nupegre) da EMERJ (Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro) estimula estudos e pesquisas em direitos fundamentais há três anos. O Nupegre já tem quatro pesquisas concluídas. Os três primeiros estudos trataram de temas como estupro coletivo, violência doméstica e o desaparecimento forçado de meninas no Rio de Janeiro.

A pesquisa “A Representação de Pessoas Transexuais e Transgêneras pelo Discurso Judicial nas Ações de Retificação de Registro Civil nos Tribunais Brasileiros” será publicada ainda este ano. Em 2020, uma nova pesquisa sobre feminicídio, em desenvolvimento, será divulgada.

Leia também: Vara da Infância lança cartilha sobre novas regras de viagens
Podcast destaca Prêmio e livro de operadores do Direito sobre filmes
TJ mantém obrigação da Prefeitura de restaurar ponto histórico da Urca

Inaugurado em 12 de julho de 2016, na gestão do desembargador Caetano Ernesto Costa, o Núcleo de Pesquisa desenvolve estudos para difundir práticas de valorização da diversidade cultural e de defesa dos interesses de grupos sociais minoritários, com o objetivo de reduzir desigualdades sociais, étnicas e de gênero e promover cidadania e direitos do cidadão.

As pesquisas apresentam relatórios que informam à comunidade acadêmica os resultados das investigações realizadas e os desafios que revestem os debates sobre os estudos de gênero, o que contribui para fomentar a produção científica. O propósito é disseminar conhecimentos e atuar como transformador social e instrumento de reflexão para a promoção da igualdade de gênero.

O Nupegre é presidido pela juíza Adriana Ramos de Mello (presidente do Fórum Permanente de Violência Doméstica, Familiar e de Gênero). O Núcleo é composto também pela professora Maria Helena Barros de Oliveira (Fiocruz), vice-presidente; pela professora e pesquisadora Lívia de Meira Lima Paiva; pela pesquisadora colaboradora Simone Cuber Araújo Pinto; pela assessora Juliana Trindade; e pelas estagiárias Ana Carolina Costa, Gabriela Moura e Flávia Leonardo.

Acesse aqui as pesquisas. Além dos estudos, o NUPEGRE apoia palestras e seminários desenvolvidos na Escola.

Fonte: EMERJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!