quinta, 13 de dezembro de 2018

AMAERJ | 14 de maio de 2018 17:07

Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário

Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Delicious Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Digg Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Facebook Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Google+ Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Link-a-Gogo Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on LinkedIn Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Pinterest Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on reddit Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on StumbleUpon Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Twitter Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Add to Bookmarks Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Email Share 'Nota da AMAERJ sobre decisão no Plantão Judiciário' on Print Friendly Whatsapp

A AMAERJ e a juíza Ana Beatriz Mendes Estrella manifestam profundo pesar pelo falecimento da sra. Merides da Silva Laranjeira, citada na reportagem da rádio CBN “Idosa morre no Rio depois de juíza negar pedido de urgência para internação em CTI”. A AMAERJ esclarece que a magistrada atuou de forma diligente e humanitária ao remeter imediatamente ao expediente regular a medida liminar de transferência da paciente de um hospital privado para a rede pública.

É fundamental informar que a sra. Merides não estava desassistida e sim internada em um hospital considerado de excelência na rede particular, recebendo os cuidados médicos e recursos adequados ao seu quadro clínico. Sendo assim, não corria risco de vida por falta de atendimento médico.

Este fato, por si só, já afasta a alegação de urgência para a análise do pedido de transferência durante o Plantão Judiciário e qualquer ligação entre a decisão e o posterior falecimento da paciente. Um dos pedidos da Defensoria era precisamente que ela fosse mantida naquele hospital, ao qual chegara em estado muito grave.

A AMAERJ informa ainda que magistrada deixou as dependências do plantão após as 12h do dia 3 e, até sua saída, não foi procurada pessoalmente por nenhum membro da Defensoria Pública. No entanto, não houve recurso da Defensoria durante o mesmo plantão.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!