sexta, 18 de janeiro de 2019

AMAERJ | 10 de janeiro de 2019 14:55

3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão

Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Delicious Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Digg Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Facebook Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Google+ Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Link-a-Gogo Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on LinkedIn Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Pinterest Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on reddit Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on StumbleUpon Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Twitter Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Add to Bookmarks Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Email Share '3ª Vara da Fazenda bloqueia bens do ex-governador Pezão' on Print Friendly Whatsapp
Juíza Mirela Erbisti

A juíza Mirela Erbisti (3ª Vara de Fazenda Pública da Capital) determinou, na segunda-feira (7), a indisponibilidade de bens do ex-governador Luiz Fernando Pezão, no total de R$ 45,6 milhões. O valor é equivalente a danos materiais e multa civil por envolvimento em esquema de propinas do Sindicato das Empresas de Ônibus Urbanos do Rio, a Fetranspor.

De acordo com inquérito civil, Pezão integrava um grupo que organizava de forma habitual cobranças de propinas sobre o faturamento de contratos públicos, iniciado pelo ex-governador Sérgio Cabral. Os valores eram pagos por empresários em troca de vantagens indevidas, como a hegemonia em contratações, fornecimento de bens e serviços sem licitação e ausência de fiscalização nos contratos.

“Haveria ainda, ao que consta, um esquema de atuação junto à Fetranspor, com a criação de um fundo de propina de arrecadação semanal junto às sociedades empresárias integrantes do sindicato, sob a coordenação de José Carlos Reis Lavouras, presidente do Conselho de Administração da entidade patronal desde sua criação, para pagamento de vantagens ilícitas em espécie a agentes públicos do Poder Executivo Estadual”, escreveu a magistrada na decisão.

Leia também: Clarissa Garotinho é condenada a indenizar Luiz Zveiter em R$ 100 mil
Governo estuda porte de arma irrestrito a juízes e guardas
Recorde: 770 magistrados do Rio participam dos cursos da EMERJ em 2018

As investigações indicam ainda que Pezão, a fim de aprimorar o esquema, vetou parcialmente a Lei Estadual n°7506/2016, que impedia a Fetranspor de arrecadar os créditos expirados dos bilhetes eletrônicos operados pela entidade. Ele também teria determinado o reajuste das tarifas de ônibus intermunicipais em R$ 0,27, sem estudos técnicos, com a justificativa de compensar os custos dos beneficiários de gratuidades.

“Há, portanto, indícios suficientes da existência de um esquema profissional de corrupção ativa e passiva envolvendo os demandados, com troca de favores e pagamentos de propinas mensais, em valores exorbitantes, em prejuízo da fazenda pública e contrário aos princípios que devem reger a Administração Pública”, avaliou a juíza.

Também foram bloqueados os bens do ex-presidente do Conselho de Administração da Fetranspor, José Carlos Lavoura (R$ 34,2 milhões), do operador Luiz Carlos Vidal Barroso (R$ 27,9 milhões), do ex-secretário de obras do Rio, Hudson Braga (R$ 6,3 milhões), e da Fetranspor (R$ 34,2 milhões).

Fonte: TJ-RJ

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!