terça, 18 de setembro de 2018

AMAERJ | 09 de julho de 2018 16:58

‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’

Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Delicious Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Digg Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Facebook Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Google+ Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Link-a-Gogo Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on LinkedIn Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Pinterest Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on reddit Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on StumbleUpon Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Twitter Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Add to Bookmarks Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Email Share '‘Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli’' on Print Friendly Whatsapp

Kadosh Olive vibra ao receber prêmio de Práticas Humanísticas, pelo projeto Hotel da Loucura, em 2016

Sorriso estampado no rosto, corpo em euforia: a foto de Kadosh Olive recebendo o 5º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos, na categoria Práticas Humanísticas, se tornou um símbolo da premiação. O ator, que recebeu o prêmio pelo projeto Hotel da Loucura, lembra com carinho aquele momento.

“A sensação foi de dever, justiça e cidadania cumpridos. Foi uma bela forma de declarar que a arte ajuda nos desenvolvimentos humano e comunitário e de ação de protagonismo social, de agente de mudança. Minha vida mudou depois do Prêmio Patrícia Acioli”, contou. 

Leia também: ‘A principal conquista foi salvar vidas’, diz jornalista ganhador do Prêmio Patrícia Acioli
Juiz de Goiás ressalta magnitude de conquistar o Prêmio Patrícia Acioli
‘Prêmio Patrícia Acioli reforça o nosso fazer jornalístico’, diz repórter do Diário do Nordeste

Kadosh Olive recebeu a premiação em nome do idealizador do Hotel da Loucura, o médico e ator Vitor Pordeus. Encerrado em 2016, o projeto integrava arte e desenvolvimento da saúde mental em pacientes com transtornos psiquiátricos na Casa do Sol do Instituto Municipal Nise da Silveira, no Engenho de Dentro. 

Kadosh foi voluntário no projeto por anos, e a experiência culminou na criação de sua própria metodologia, a Anatomia das Paixões. “Tenho buscado criar uma nova estrutura afetiva e relacional por meio das artes integradas, como poesia e dança, e criei um grupo de apoio no início de 2017 no qual aplico esse método”, afirmou.

Emocionado, ator ergue troféu do 5º Prêmio Patrícia Acioli de Direitos Humanos ao lado dos filhos da juíza

O grupo Néctar (Núcleo Experimental de Conexões Artísticas) tem como foco apoiar e ajudar pessoas com transtornos mentais. Atualmente, os sete integrantes se encontram no Laboratório de Métodos Avançados e Epistemologia (LAMAE – UFRJ) – parceiro no projeto – e em espaços culturais.

“Muitos têm dificuldade de socialização e comunicação. Então, eu os convido a estarem comigo nesses ambientes que também são deles. É importante inseri-los nos espaços sociais e culturais por meio do teatro, da música e da dança”, comentou.

Kadosh também fez intercâmbios internacionais. No início deste ano, ele colaborou com o Inhabit Showcase para fazer vínculos culturais e desenvolver comunidades local e territorial. Além disso, promoveu uma oficina de teatro com repertórios musical e poético no I Love Yoga Studio Healing Center, na Flórida (EUA).

Atualmente, o ator tem dois grandes projetos à vista. Um deles será em Itaguaí, Região Metropolitana do Rio, onde está criando um projeto de residência artística. O outro será o “Espetáculo Cenopoético – A Anatomia das Paixões”, cuja cenografia é inspirada nos artistas Hélio Oiticica e Lígia Clark e os figurinos serão feitos pelo estilista brasileiro Gustavo de Carvalho. O espetáculo estreará em Teresina (PI) e virá para o Rio de Janeiro, onde será apresentado no Planetário da Gávea e no Memorial Getúlio Vargas, ambos na Zona Sul do Rio.

Para Kadosh, ganhar o Prêmio pelo Hotel da Loucura foi fundamental para transformar sua vida. “Tenho um carinho muito grande pelo Hotel da Loucura. Ganhar o Prêmio Patrícia Acioli mudou minha vida. Meu trabalho foi ampliado, fui colocado em protagonismo. Consegui ajudar muitas pessoas e isso me faz realizado”, avaliou.

O 7º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos será aberto em agosto.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!