segunda, 16 de julho de 2018

AMAERJ | 13 de dezembro de 2017 12:01

Maioria dos 51 mil presos do Rio tem até 29 anos de idade

Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Delicious Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Digg Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Facebook Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Google+ Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Link-a-Gogo Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on LinkedIn Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Pinterest Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on reddit Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on StumbleUpon Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Twitter Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Add to Bookmarks Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Email Share 'Maioria dos 51 mil presos do Rio  tem até 29 anos de idade' on Print Friendly Whatsapp

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro lançou, nesta terça-feira (12), um portal com dados sobre o sistema penitenciário do Estado. A partir deste raio-x, o TJ-RJ pretende elaborar políticas públicas criminais e carcerárias. Dos 51.007 presos do Rio, 96% são homens, e 59% têm entre 18 e 29 anos.

“Essa é uma faixa de juventude, de produção, de trabalho, de mão de obra perdida. Uma parte seria potencialmente de jovens aprendizes que estão presos. Outro dado importante é que 80% dos adolescentes apreendidos hoje no Rio de Janeiro abandonaram a escola antes do crime. Existe uma evasão escolar que leva ao ato infracional”, destacou a juíza Raquel Chrispino, integrante do Grupo de Monitoramento e Fiscalização (GMF).

Leia também: Brasil tem a 3ª maior população carcerária do mundo, com 726.712 mil presos
‘Reage, Rio!’: É preciso pensar na ressocialização de presos, diz Rafael Estrela

O presidente do TJ-RJ, Milton Fernandes, parabenizou a todos que atuaram na construção do portal. “Trata-se de um trabalho de excelência realizado por pessoas comprometidas, nem sempre com ideias convergentes, mas sempre destinadas ao resultado comum, da transparência, disponibilizando todas as informações. Isso vai permitir o Poder Judiciário progredir.”

O coordenador do GMF, desembargador Marcus Henrique Basílio, acredita que o portal vai contribuir para a meta de redução da população carcerária.

“Dados divulgados recentemente do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) apontam o Brasil em terceiro lugar em número de pessoas encarceradas. Temos procurado criar metas para tentar reduzir esse número. Com o lançamento do portal poderemos traçar planos para, finalmente, reduzir esse número absurdo de encarceramento.”

O procurador-geral da Justiça do estado, Eduardo Gussem, que participou do lançamento, destacou as vantagens proporcionadas pela ferramenta.

“Estou maravilhado. Esse portal é a oportunidade que temos para solucionar e dar um salto de qualidade através da tecnologia. Essa ferramenta propicia informações fabulosas, permitindo o desenvolvimento de políticas públicas em relação ao sistema carcerário”, afirmou.

Idealizadora e coordenadora do programa Justiça Cidadã, a desembargadora Cristina Gaulia ressaltou que o portal vai contribuir para o resgate da dignidade do homem e da mulher encarcerada.

Clique aqui para acessar os dados do Portal do GMF do Sistema Carcerário do Estado

(Com informações do TJ-RJ)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!