segunda, 17 de junho de 2019

AMAERJ | 04 de junho de 2019 16:31

Magistrados avaliam Provimento 28 da Corregedoria Geral do Rio

Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Delicious Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Digg Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Facebook Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Google+ Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Link-a-Gogo Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on LinkedIn Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Pinterest Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on reddit Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on StumbleUpon Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Twitter Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Add to Bookmarks Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Email Share 'Magistrados avaliam Provimento  28 da Corregedoria Geral do Rio' on Print Friendly Whatsapp

A presidente Renata Gil se reuniu na tarde desta terça-feira (4) com diretores da AMAERJ, juízes de diversas competências e integrantes do Departamento Jurídico para avaliar o Novo Estudo de Lotação, da Corregedoria Geral de Justiça do Rio de Janeiro (Provimento nº 28/2019).

A AMAERJ recebeu informações de inúmeros magistrados do Estado do Rio sobre incongruências no Novo Estudo de Lotação. Confira abaixo o Provimento nº 28/2019:

“Dispõe sobre a implementação do Novo Estudo de Lotação para distribuição do quadro de servidores das unidades judiciais de 1ª Instância do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, Desembargador BERNARDO GARCEZ, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelos incisos IX e XVIII, do artigo 22, da Lei de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro – LODJ (Lei nº 6.956/2015);

CONSIDERANDO o princípio da eficiência que preside a atuação da Administração Pública (art. 37, caput, da CR/88);

CONSIDERANDO que a lotação dos servidores públicos do Poder Judiciário deve observar critérios objetivos e transparentes, que assegurem distribuição isonômica e proporcional da força de trabalho;

CONSIDERANDO que, desde a última atualização do Estudo de Lotação da 1ª Instância atualmente em vigor, publicada em dezembro de 2016, o Quadro Único de Pessoal do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro sofreu significativa redução;

CONSIDERANDO a edição do Provimento CGJ nº 7/2019, que fixou parâmetros para a lotação e remoção de servidores nas unidades judiciárias vinculadas à Corregedoria Geral da Justiça enquanto não atualizada a tabela de lotação então em vigor;

CONSIDERANDO a competência constitucional do CNJ na realização e controle da atuação administrativa do Poder Judiciário, bem como seu planejamento e sua gestão estratégica;

CONSIDERANDO o disposto na Resolução CNJ nº 219/2016;

CONSIDERANDO o relatório apresentado pela Diretoria Geral de Administração – DGADM nos autos do processo administrativo nº 2019-38976;

CONSIDERANDO a determinação para elaboração do Novo Estudo de Lotação nos autos do processo administrativo nº 2019-28982;

CONSIDERANDO a existência de unidades judiciais que se mostram singulares em razão de sua competência e volume de demanda;

CONSIDERANDO o que ficou decidido pela Comissão de Estudos de Movimentação e Produtividade – CEMOP, instituída pelo Provimento CGJ nº 12/2019,

RESOLVE:

Art. 1º. Adotar as diretrizes previstas na Resolução CNJ nº 219/2016 como parâmetros para a atualização da Tabela de Lotação das Unidades Judicias de 1ª Instância, observando se ainda que:

I – o Secretário do Juiz e o Auxiliar de Gabinete, previstos nos artigos 2º e 3º, respectivamente, da Lei nº 5775/2010 serão excluídos da lotação paradigma;

II – o Auxiliar de Gabinete estabelecido no art. 1º, § 6º da Resolução TJ/OE nº 17/2015 e o Assistente de Gabinete previsto no Ato Normativo nº 4/2009 serão incluídos na lotação paradigma;

III – não serão abrangidas no Estudo de Lotação as unidades judiciais que, em razão de sua singularidade não tenham base de comparação em grupo de atribuição;

IV – as unidades a que se refere o inciso anterior serão objeto de estudo próprio de lotação a ser apresentado no prazo de 90 (noventa) dias a contar da publicação deste Provimento.

Art. 2º. Aprovar o Estudo de Lotação apresentado nos autos do Processo administrativo nº 2019 28982, elaborado de acordo com as diretrizes referidas no artigo 1º.

Art. 3º. Adotar a Tabela de Lotação das Unidades Judiciais da 1ª Instância constante do Anexo deste Provimento, dando lhe vigência imediata.

Art. 4º. Nos atos de remoção de servidores, será respeitada a lotação paradigma estabelecida para cada unidade judiciária, obedecendo se ao total estipulado para cada seguimento.

Art. 5º. A distribuição de servidores, conforme o Estudo de Lotação do Anexo, será revista no prazo máximo de dois anos, a fim de promover as devidas adequações.

Art. 6º. Este Provimento entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, especialmente os Provimentos CGJ nº 57/2016 e 7/2019.

Rio de Janeiro, 31 de maio de 2019.

Desembargador BERNARDO MOREIRA GARCEZ NETO
Corregedor-Geral da Justiça”

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!