sábado, 18 de novembro de 2017

AMAERJ | 06 de novembro de 2017 20:32

Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos

Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Delicious Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Digg Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Facebook Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Google+ Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Link-a-Gogo Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on LinkedIn Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Pinterest Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on reddit Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on StumbleUpon Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Twitter Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Add to Bookmarks Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Email Share 'Magistrados premiam vencedores do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos' on Print Friendly Whatsapp

A AMAERJ premiou 19 defensores da dignidade humana e da cidadania, nesta segunda-feira (6), no Tribunal Pleno do TJ-RJ. Cerca de 200 pessoas participaram do 6º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos, que reuniu magistrados, membros do Ministério Público, defensores, advogados, jornalistas, professores, líderes de movimentos sociais e estudantes. A Associação homenageou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, com o Prêmio Hors-Concours por sua notável atuação em defesa dos direitos humanos.

Veja aqui todos os vencedores.

A presidente da AMAERJ, Renata Gil, destacou que foram registradas mais de 60 mil mortes violentas em 2016, recorde negativo de homicídios da história do País – números que equivalem às mortes provocadas pela explosão da bomba nuclear que dizimou Nagasaki, no Japão, durante a Segunda Guerra Mundial.

“Sete pessoas são assassinadas por hora no Brasil. Esta é a nossa guerra, diária, que atinge toda a população brasileira, em especial, a do Rio de Janeiro, como meus colegas magistrados conhecem tão bem. Mais do que estatísticas, são vidas ceifadas violentamente. Essa realidade é inaceitável. Precisamos tomar providências urgentes para combater essa guerra”, afirmou.

Galeria de fotos

“Em tempos de extrema violência e intolerância, o 6º Prêmio abre as portas e dá a voz para os profissionais que lutam pela vida, pela justiça e pela paz. Uma noite de reconhecimento e agradecimento aos que fazem o bem e que são exemplos para a sociedade, como foi e sempre será Patrícia Acioli, uma humanista, apaixonada pela justiça e pela profissão, símbolo da coragem e da defesa da dignidade humana”, destacou Renata.

Raquel Dodge afirmou que o Prêmio honra o legado de coragem e zelo pelo bem comum da juíza Patrícia Acioli. “Agradeço com muita honra à AMAERJ, especialmente a presidente Renata Gil e os curadores desse Prêmio que simboliza a esperança na luta pela Justiça. É um prêmio que está ancorado na defesa de direitos humanos, e este é um mote importante para falarmos de dignidade, de igualdade e de liberdade.”

Para a procuradora, ‘há sinais muito preocupantes de ofensas a direitos fundamentais no Brasil, no presente e no futuro’. “A morte precoce de jovens atinge o destino da nação. Falar em direitos humanos é muito importante porque significa falar daquilo que mais interessa a cada um de nós. Resgata a possibilidade de contarmos uns com os outros. É como falar de confiança e de esperança”, ressaltou.

O presidente do TJ-RJ, Milton Fernandes, disse que o Prêmio ultrapassou as fronteiras e discute hoje temas de amplitude global. “É um evento que simboliza a harmonia na sociedade. O Prêmio tomou corpo e produz a paz, procurando conscientizar as pessoas pela necessidade de bem-estar da vida em sociedade mundial”, afirmou.

Cristian Wittman, membro do comitê gestor da Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (Ican, em inglês) – organização ganhadora do Prêmio Nobel da Paz 2017, fez um apelo para que todos os países assinem o tratado de proibição de armas nucleares.

“A detonação nuclear, intencional ou não, causa um problema humanitário gravíssimo para todo o globo. A existência de armas nucleares coloca em risco toda a população mundial. É pelo princípio de proteção da pessoa humana que a Ican defende que não existem mãos boas para armas ruins. Para a Ican, é uma honra estar em um prêmio tão nobre e importante”, disse Wittman.

Cerimônia

A atriz Guilhermina Guinle foi a mestre de cerimônias do evento, que contou com as apresentações da Orquestra da Providência SOM+EU, projeto social de educação musical para crianças, adolescentes e jovens do Rio.

Compuseram a mesa da cerimônia, Renata Gil (presidente da AMAERJ), Milton Fernandes (presidente do TJ-RJ), Raquel Dodge (procuradora-geral da República), Leonardo Espíndola (procurador-geral do Estado), Maria Lúcia Jardim (presidente do RioSolidario e primeira-dama do Estado), Antônio Carlos de Sá (procurador-geral do Município), Jacqueline Montenegro (presidente do TRE-RJ), Alexandre Araripe Marinho (sub-procurador de Justiça do MP-RJ), André Luís de Castro, (defensor público-geral do Estado), Jayme de Oliveira (presidente da AMB), Cláudio dell’Orto (ex-presidente da AMAERJ e representante da EMERJ), Bernardo Cabral (ex-senador) e Marcia Succi (diretora de Direitos Humanos da AMAERJ). Também estiveram presentes os parentes da juíza Patrícia Acioli.

Prêmio

Este ano, o Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli recebeu 223 inscrições, em quatro categorias, com o tema “Direitos Humanos e Cidadania”. Os primeiros colocados de Reportagens Jornalísticas, Práticas Humanísticas e Trabalhos Acadêmicos receberam R$ 15 mil, cada; os segundos lugares R$ 10 mil, e os terceiros R$ 5 mil. Na categoria Trabalhos dos Magistrados, os três primeiros colocados receberam troféus.

A Comissão Julgadora foi composta por 15 profissionais: Artur de Brito Souza, Daniel Sarmento e Gustavo Binenbojm (Trabalhos dos Magistrados), Elvira Lobato, José Carlos Tedesco e Sergio Torres (Reportagens Jornalísticas), Marcelo Alves Lima, Márcia Nina Bernardes, Mariana Thorstensen Possas e Adilson Cabral (Práticas Humanísticas) e Marco Aurélio Vannuchi, Patrícia Saldanha, Marcio Castilho, Jussara Freire e João Batista de Abreu (Trabalhos Acadêmicos).

Criada em 2012, a premiação celebra a memória da juíza Patrícia Acioli, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, assassinada em 2011, em Niterói, por policiais militares. O Prêmio tem o objetivo de reconhecer e reverenciar iniciativas e trabalhos que contribuam para a melhoria da sociedade brasileira.

O 6º Prêmio tem como parceiros a Caixa Econômica Federal (CEF), a Multiplan, a Confederação Nacional do Comércio (CNC) e a Anoreg-RJ (Associação dos Notários e Registradores do Brasil-RJ). A premiação tem o apoio do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!