sexta, 18 de janeiro de 2019

AMAERJ | 07 de janeiro de 2019 10:22

Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ

Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Delicious Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Digg Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Facebook Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Google+ Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Link-a-Gogo Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on LinkedIn Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Pinterest Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on reddit Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on StumbleUpon Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Twitter Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Add to Bookmarks Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Email Share 'Magistrados do RJ comporão grupo de trabalho do CNJ' on Print Friendly Whatsapp
Agostinho Teixeira de Almeida Filho e Luiz Roberto Ayoub

O presidente do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Dias Toffoli, criou um grupo de trabalho com o objetivo de contribuir com a modernização e a efetividade de atuação do Judiciário nos processos de recuperação judicial e falência. Os desembargadores do TJ-RJ Agostinho Teixeira de Almeida Filho e Luiz Roberto Ayoub integrarão o grupo, que será coordenado pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Luis Felipe Salomão.

Criado em 19 de dezembro, o grupo de trabalho vai realizar estudos e apresentar diagnósticos sobre a necessidade de aperfeiçoamento do marco institucional; propor audiências e consultas públicas; sugerir atividades de capacitação de magistrados que atuam em processos de recuperação e falimentares; apresentar propostas de recomendações, provimentos, instruções e outros atos normativos destinados ao aperfeiçoamento das atividades dos órgãos do Judiciário.

Leia também: Jayme Boente é nomeado presidente do Conselho de Segurança do Rio
CNJ avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado
Ministro Salomão elege os 30 julgamentos mais importantes do STJ

A Secretaria Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ será a responsável em dar o suporte para o desempenho das atribuições e a execução das deliberações do grupo de trabalho. As reuniões acontecerão até o fim do ano, em Brasília.

O grupo também é formado por membros do próprio CNJ, do TST (Tribunal Superior do Trabalho), do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) e advogados.

Na avaliação do conselheiro do CNJ Henrique Ávila, que fará parte da equipe, o grupo será um instrumento de aperfeiçoamento da Justiça Empresarial no Brasil. “O estudo de boas práticas em processos de falência e recuperação judicial vai contribuir para uniformizar procedimentos judiciais no tratamento dessas questões de crise da empresa e certamente favorecerá uma maior previsibilidade de decisões e segurança jurídica. Isso tudo é essencial para que o Brasil volte a crescer e se torne um polo de atração do investimento internacional”, diz.

Segundo o conselheiro, quanto mais segurança e previsibilidade nas decisões em casos de crise empresarial, maior o fluxo de investimento nacional e internacional.

“O CNJ cumpre o seu papel de aperfeiçoar a gestão de demandas e de racionalizar a distribuição da Justiça empresarial em todo o território nacional. O GT traçará metas de atuação e estudos e será fundamental para o treinamento uniforme dos juízes, contribuindo, também desta forma, para o fortalecimento da segurança jurídica e da previsibilidade decisória que orientam todos os agentes do mercado”, afirma.

Fonte: TJ-RJ e ConJur

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!