terça, 18 de junho de 2019

AMAERJ | 08 de junho de 2019 14:54

Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta

Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Delicious Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Digg Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Facebook Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Google+ Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Link-a-Gogo Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on LinkedIn Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Pinterest Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on reddit Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on StumbleUpon Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Twitter Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Add to Bookmarks Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Email Share 'Magistrada condena TV Globo a conceder direito de resposta' on Print Friendly Whatsapp
Juíza Eunice Haddad

A juíza Eunice Bitencourt Haddad, da 24ª Vara Cível do TJ-RJ, condenou a Rede Globo a conceder direito de resposta à juíza leiga Ethel Tavares de Vasconcelos.

Leia também: Presidentes da AMAERJ e da Alerj tratam da Previdência e economia do Rio
Podcast celebra os 65 anos da Associação dos Magistrados
Relatório da Reforma da Previdência deve ser conhecido na quinta (13)

Em setembro do ano passado, a advogada Valéria Lúcia dos Santos foi algemada durante audiência conduzida pela juíza leiga no 3º Juizado Especial Cível de Duque de Caxias, município na Baixada Fluminense

A magistrada Eunice Haddad determinou que o programa “Encontro com Fátima Bernardes”, exibido pela emissora nas manhãs de segunda a sexta-feira, conceda “direito de resposta proporcional ao mesmo espaço e tempo que fora concedido à advogada Valéria Lúcia dos Santos no dia 14 de setembro de 2018”.

A Globo tem 15 dias para cumprir a decisão, contados a partir da última segunda-feira (3), sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

A juíza sustenta que a Globo não teve a “prudência necessária” ao tratar do caso. “E, mesmo ciente de que o TJ-RJ estava apurando os fatos, decidiu encampar a versão daquela, e usar a situação ocorrida, com a versão de apenas um dos lados, repita-se, para fomentar a discussão sobre o tema discriminação contra mulheres e racismo”, diz trecho da decisão.

Leia na integra a reportagem.

Fonte: Amo Direito

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!