segunda, 15 de outubro de 2018

AMAERJ | 11 de janeiro de 2018 15:35

Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ

Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Delicious Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Digg Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Facebook Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Google+ Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Link-a-Gogo Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on LinkedIn Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Pinterest Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on reddit Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on StumbleUpon Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Twitter Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Add to Bookmarks Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Email Share 'Justiça veta Garotinho à frente do PR-RJ' on Print Friendly Whatsapp

A Justiça Eleitoral de Campos de Goytacazes (RJ) reforçou, em novo despacho, o impedimento do ex-governador Anthony Garotinho de reassumir seu cargo no PR.

Garotinho era presidente regional do partido. A medida também afeta o presidente nacional do PR, Antônio Carlos Rodrigues.

Leia também: Em artigo, ministro Salomão fala sobre o Direito Privado no âmbito do STJ
Juizado prepara plano de segurança contra violência em estádios

A decisão, de autoria do juiz Ralph Manhães Júnior, esclarece que “qualquer ato praticado pelos referidos réus na condição de presidente do partido a que pertencem será considerado descumprimento de ordem judicial , sujeitando-se aqueles , portanto, a imposição de medidas mais rígidas”.

O juiz tomou a decisão como forma de evitar que Garotinho e Rodrigues, em liberdade, reassumam os cargos diretivos A Justiça recebeu informações de que Garotinho estava organizando atividades partidárias com militantes e convocando reuniões pela internet.

Garotinho e Rodrigues foram presos no ano passado pela Polícia Federal. A prisão de Garotinho foi baseada em investigação que apura os crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação das contas eleitorais.

Garotinho e Rodrigues foram soltos em dezembro por ordem do ministro Gilmar Mendes, do STF.

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!