quarta, 12 de dezembro de 2018

AMAERJ | 01 de outubro de 2018 13:21

Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares

Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Delicious Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Digg Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Facebook Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Google+ Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Link-a-Gogo Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on LinkedIn Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Pinterest Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on reddit Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on StumbleUpon Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Twitter Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Add to Bookmarks Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Email Share 'Justiça Restaurativa leva diálogo à resolução de conflitos escolares' on Print FriendlyWhatsapp

Estudantes e gestora de educação durante encontro do Justiça Restaurativa | Foto: Divulgação

Duzentos agentes de colégios públicos da Zona Oeste do Rio de Janeiro estão participando do programa Justiça Restaurativa, pelo qual são treinados para lidar com o ambiente escolar agressivo por meio do diálogo e da escuta.

O projeto é fruto de uma parceria público-privada entre as secretarias Estadual e Municipal de Educação do Rio e a instituição Laboratório de Convivência.

O Justiça Restaurativa é aplicado, atualmente, em seis colégios de Santa Cruz – 5 municipais e um estadual. O bairro tem um dos menores IDH (Índices de Desenvolvimento Humano) do Estado e é considerada um dos mais violentos da cidade. As mazelas e a violência fora dos muros da escola se refletem no comportamento dos alunos.

Leia também: Conheça o processo de aprovação da Constituição Federal de 1988
‘Divulgação de fake news’ é ‘preocupante’, diz desembargador André Gustavo ao ‘Estadão’
‘Neste momento eleitoral, é preciso pacificar’, afirma Torquato Jardim

A ideia do projeto é transformar os conflitos e a violência em diálogo e empatia. Os gestores se reúnem com os alunos, em círculo, e naquele espaço os jovens conversam sobre os problemas enfrentados dentro e fora das salas de aula. Em reportagem exibida pelo programa Balanço Geral, a professora Glauce Jane contou as mudanças nos estudantes: “[O programa] Faz que eles se preocupem, olhem um para outro, ouçam um ao outro. Na sala de aula, tem feito a diferença”.

Os estudantes também relataram que começaram a agir de forma diferente. “Além de assumir a responsabilidade de ser mediador, você deixa alguém entrar na sua vida. Isso expande sua família”, comentou uma delas.

Para ver a reportagem do Balanço Geral na íntegra, clique neste link. Para saber mais sobre o Justiça Restaurativa, acesse o site do Laboratório de Convivência.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!