terça, 23 de julho de 2019

AMAERJ | 20 de julho de 2011 15:15

Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio

Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Delicious Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Digg Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Facebook Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Google+ Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Link-a-Gogo Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on LinkedIn Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Pinterest Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on reddit Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on StumbleUpon Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Twitter Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Add to Bookmarks Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Email Share 'Juízes poderão indicar mediação familiar em divórcio' on Print Friendly Whatsapp

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 428/11, do deputado Luiz Couto (PT-PB), que insere no Código Civil (Lei 10.406/02) a recomendação para que juízes incentivem a mediação familiar em casos de divórcio.

Por meio da mediação familiar, os casais têm a ajuda de uma terceira pessoa (um técnico neutro e qualificado), que pode ajudá-los a resolver seus conflitos e alcançar um acordo durável, levando em conta as necessidades de todos os membros da família, em especial as crianças.

Segundo o Instituto Português de Mediação Familiar, a mediação é uma alternativa à via litigiosa. Ajuda os pais a não abdicarem da sua responsabilidade como pais e leva-os a assumirem, eles mesmos, as suas próprias decisões.

O objetivo principal é que os pais, depois da separação, mantenham convívio intenso e frequente com seus filhos e não fiquem lesados no seu acordo de separação.

Segundo Luiz Couto, a utilização da mediação no âmbito das relações de família e na resolução de conflitos é uma antiga reivindicação de entidades que representam magistrados, advogados, promotores de justiça, psicólogos, psicanalistas e sociólogos.

O deputado argumenta que a mediação familiar fundamenta-se na cultura da paz e do diálogo e não na mera pacificação de conflitos, como ocorre na conciliação, ou em sentenças proferidas por um árbitro que não investiga o que motivou a discórdia, como no caso da arbitragem.

“A linguagem ternária [que envolve três partes] utilizada no processo de mediação pretende construir uma solução para os conflitos por meio da comunicação, do diálogo, sem, no entanto, que o mediador decida a controvérsia”, afirma.

A proposta é semelhante ao PL 4948/05, do ex-deputado Antonio Carlos Biscaia, que foi arquivado no fim da legislatura passada, pelo fato de não ter concluído sua tramitação.

E é idêntica ao PL 505/07, do deputado Sérgio Barradas Carneiro (PT-BA), que já foi aprovado pela Comissão de Seguridade Social e Família e aguarda votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Tramitação

O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Veja aqui íntegra da proposta

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!