domingo, 08 de dezembro de 2019

AMAERJ | 09 de janeiro de 2019 14:51

À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio

Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Delicious Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Digg Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Facebook Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Google+ Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Link-a-Gogo Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on LinkedIn Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Pinterest Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on reddit Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on StumbleUpon Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Twitter Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Add to Bookmarks Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Email Share 'À GloboNews, juíza fala sobre denúncias de feminicídio' on Print Friendly Whatsapp
Juíza Katherine Jatahy | Foto: GloboNews/ Reprodução

Em entrevista à GloboNews, a juíza Katherine Jatahy (auxiliar da Vara da Infância e Juventude da Capital) comentou o aumento na quantidade de denúncias de feminicídio e tentativa de feminicídio ao Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher do governo federal. Segundo dados do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, houve aumento de 120% nas ligações sobre morte de mulheres pela condição feminina e de 156% nas sobre tentativas de feminicídio em 2018.

Veja a reportagem aqui. O canal recebeu denúncias de mortes de 24 mulheres em 2017 e 53 em 2018. Os números de ligações sobre tentativas de feminicídios são maiores: 2.749 ligações em 2017 e 7.036 em 2018.

A magistrada, integrante da Coem (Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJ-RJ), explicou que os dados oficiais podem não demonstrar a realidade. “A tipificação do crime de feminicídio passou a existir a partir de 2015. As estatísticas são recentes e, talvez, não reflitam a realidade. Não que não existissem antes, mas não eram nomeados”, explicou Katherine.

Leia também: Justiça registra aumento de casos de violência contra a mulher no Rio
TJ-RJ publica editais com 19 vagas de remoção e promoção
Artigo da presidente da AMAERJ em ‘O Globo’ destaca os desafios do novo governo

Segundo a juíza, o mapeamento dos casos de feminicídio também auxilia a criação de políticas de combate e que esse aumento pode significar a conscientização das mulheres.

O TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) alcançou recordes nos casos de violência contra a mulher no ano passado: foram concedidas 21.759 medidas protetivas de urgência, número maior que 2015. A quantidade de novas ações judiciais chegou a 111.391 entre janeiro e novembro de 2018, menor apenas que o registrado em 2014 (112.396).

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Miriam 2019-01-09 19:34:25

Interessante como há pessoas que ainda procuram justificar atitudes destes criminosos!

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Walter Felippe D´Agostino 2019-01-10 09:21:51

A Dra Katherine é uma dedicada e competente Juiza que honra a Magistratura deste estado que com a manifestação feita mostra quão grave é o problema que aborda que está a merecer devidos cuidados de autoridades e da sociedade em geral Parabens

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.